Forças paquistanesas entram em importante base do Taleban

Localidade de Makeen é considerada o maior reduto dos insurgentes no Waziristão do Sul

Efe e Reuters,

06 Novembro 2009 | 07h20

O Exército do Paquistão afirmou nesta sexta-feira, 6, que entrou na localidade de Makeen, o maior reduto dos Taleban na região tribal do Waziristão do Sul, onde os recentes combates deixaram pelo menos 24 insurgentes mortos.

 

Em comunicado, o comando militar afirmou também que um "terrorista" foi detido durante as últimas 24 horas, dentro da operação que se desenvolve por terra e ar há 20 dias no nordeste desta zona fronteiriça com o Afeganistão.

 

"Hoje (sexta-feira), as forças de segurança entraram em Makeen. Uma grande parte da localidade foi limpa (de insurgentes). No resto, continuam as operações", afirmou o Exército, acrescentando que "nos intensos enfrentamentos" registrados nesta zona, 21 fundamentalistas morreram e outros três perderam a vida em outras áreas da província.

 

Makeen é considerada o "nervo central" do movimento Tehrik-e-Taleban Pakistan (TTP), que reúne diversas facções taleban do país desde o final de 2007. Nesta localidade vivia Baitullah Mehsud, líder do grupo até o início de agosto, quando morreu em um ataque com mísseis dos EUA.

 

Segundo a nota, as forças paquistanesas destruíram a casa de Mehsud e "bloquearam" uma importante estrada que ligava Makeen às populosas Sararogha e Ladha, outros redutos insurgentes nos quais o Exército afirmou que está consolidando suas posições.

 

A operação no Waziristão foi qualificada pela imprensa e políticos como "a mãe de todas as batalhas", no entanto, só atinge a parte nordeste da região, onde cerca de 28 mil soldados enfrentam cerca de 10 mil taleban paquistaneses e combatentes estrangeiros. O Exército paquistanês iniciou sua ofensiva no Waziristão do Sul no dia 17 de outubro.

 

Nas áreas meridionais e fronteiriças com o Afeganistão nesta demarcação, assim como no vizinho Waziristão do Norte, as autoridades chegaram a acordos de não agressão com os líderes insurgentes mais influentes. Os combates no Waziristão causaram, até o momento, a morte de 443 fundamentalistas e 42 soldados, segundo cálculos militares que não têm comprovação independente e não incluem civis.

 

Pelo menos 175 mil pessoas deixaram suas casas nesta região desde junho, quando o Exército paquistanês começou a "fase preparatória" da atual ofensiva. No entanto, dados provisórios divulgados nesta sexta pela ONU estimam que o número de pessoas que fugiram dos combates poderia chegar a 255 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.