Gregory Bull/AP
Gregory Bull/AP

Fortes ventos dificultam controle dos incêndios na Califórnia

Mais de 200 mil já deixaram suas casas no estado; prejuízo estimado é de US$ 9 bilhões

O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 08h43

LOS ANGELES - Com os fortes ventos, os incêndios que atingem a Califórnia seguem longe de serem controlados. Ao mesmo tempo, milhares de pessoas deixam suas casas levando seus itens de maior valor.

+ Incêndios na Califórnia fazem autoridades determinarem a retirada de 200 mil pessoas

Até sexta-feira, 8, os fogos devastaram 40 mil hectares na Califórnia e fizeram mais de 200 mil pessoas deixarem suas casas. O prejuízo estimado pelo Departamento de Segurança da Califórnia é de US$ 9 bilhões. 

Na quinta, os bombeiros falavam de "condições extremas" devido aos ventos de Santa Ana, cuja escala é medida por cores e que pela primeira vez estavam no nível roxo, o maior: quase 130 km quilômetros por hora. Mais de 5.700 bombeiros trabalham na operação. 

Novos incêndios nos condados californianos de San Diego e Riverside, na costa oeste dos Estados Unidos, se expandiam rapidamente, enquanto um pequeno foco em Malibu, nas imediações de Los Angeles, foi neutralizado.

+ Fogo consome lucro da maconha

O incêndio de San Diego, chamado de Lilac Fire, destruiu em poucas horas mais de 1.200 hectares, deixando dois feridos e 20 prédios danificados, e permanece fora de controle. As autoridades ordenaram o fechamento de estradas.

+ Em seis dias, incêndio na Califórnia deixa ao menos 40 mortos

O governador da Califórnia, Jerry Brown, declarou o estado de emergência na região. Em Riverside, o incêndio Liberty avança em uma área de 121 hectares e está controlado em 10%. Também há ordem para deixar o local. 

Um vizinho de Murrieta, cidade mais afetada da zona, disse que escutou a explosão de tanques de propano quando as chamas atingiram casas nesta área rural desértica da Califórnia.

Em Los Angeles, mansões milionárias estão em chamas depois de incêndios florestais atingirem a área nobre da cidade. Diversos bairros estão ameaçados e milhares de moradores estão se retirando da área, informou a imprensa local. / AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.