AFP PHOTO / POOL / PHILIPPE WOJAZER
AFP PHOTO / POOL / PHILIPPE WOJAZER

França e EUA pedem que Irã e Arábia Saudita não pressionem o Líbano

Reunião em Paris reúne Macron e secretário de Estado americano para discutir crise provocada pela retenção do premiê Saad Hariri em Riad

O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 15h57

PARIS - França e Estados Unidos pediram nesta sexta-feira,8,  às potências regionais no Oriente Médio que não interfiram nos assuntos internos do Líbano, para que o primeiro-ministro Saad Hariri possa governar com tranquilidade.

+ Premiê do Líbano desiste de renúncia após obter acordo com partidos de seu governo

O presidente francês, Emmanuel Macron, abriu um encontro internacional em Paris sobre o Líbano na presença do secretário de Estado americano, Rex Tillerson, e do primeiro-ministro libanês, cuja renuncia surpresa no mês passado - retirada nesta semana - provocou temores de uma nova crise no Oriente Médio. O Líbano é pressionado pelo Irã e pela Arábia Saudita. 

"É essencial que todos os partidos libaneses e os atores regionais respeitem o princípio fundamental de não ingerência", declarou Macron. “Ameaças importantes continuam a pesar sobre a estabilidade do Líbano, o que torna indispensável o apoio forte e decidido da comunidade internacional.”

Tillerson também pediu que a Arábia Saudita, principal aliado dos Estados Unidos na região, seja mais comedido em relação ao Catar - país que sofre um embargo liderado por Riad - ao Iêmen e ao Líbano. “Pedimos que sejam mais comedidos, que reflitam mais e que analisem plenamente as consequências” de seus atos, destacou o chefe da diplomacia americana.

+ Entenda a relação conflituosa entre Arábia Saudita e Irã

Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, junto com Alemanha, Itália e Egito, enviaram representantes a este encontro, no qual devem discutir o apoio econômico e humanitário ao Líbano, que já foi administrado pela França no passado.

A reunião acontece em um contexto de crescentes tensões no Oriente Médio relacionadas à decisão do presidente americano Donald Trump de transferir a embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, um anúncio que foi condenado novamente por Macron e Hariri. 

“Essa decisão complicará ainda mais o processo de paz (entre Israel e os palestinos) e representará um desafio adicional à estabilidade em toda a região”, destacou Hariri.

Ao que Macron acrescentou: “Nenhum dos problemas da região será resolvido por decisões unilaterais ou com o mais forte impondo sua vontade”. 

Suspeita-se que a Arábia Saudita pressionou Hariri a renunciar, numa tentativa de conter a influência do Irã no Líbano. Em 4 de novembro, Hariri surpreendeu a todos ao anunciar sua renúncia em Riad, alegando que temia por sua vida e denunciando o controle de Teerã e de seu aliado, o movimento xiita libanês Hezbollah, sobre seu país.

Uma fonte libanesa próxima a Hariri declarou à AFP que o primeiro-ministro foi a Riad acreditando que discutiria projetos econômicos, mas foi surpreendido "com uma lista de sanções econômicas contra o Líbano".  A Arábia Saudita e outros Estados árabes acusam o Irã de utilizar grupos armados como o Hezbollah para ampliar sua influência na região. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.