ludovic Marin/AFP
ludovic Marin/AFP

França e ONU criticam decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Esta é uma decisão lamentável que a França não aprova e vai contra o direito internacional e todas as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, diz Macron

O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 17h44

O presidente da França, Emmanuel Macron, declarou nesta quarta-feiras, 6, que seu país não está de acordo com a decisão do americano Donald Trump, de reconhecer  Jerusalém como capital de Israel.

+Conheça o posicionamento da comunidade internacional sobre Jerusalém

“A França apoia a solução de dois Estados, Israel e Palestina, vivendo em paz e segurança, com Jerusalém como a capital de ambos. Focamos no apaziguamento e diálogo”, afirmou Macron. “Esta é uma decisão lamentável que a França não aprova e vai contra o direito internacional e todas as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.”

Nas Nações Unidas, o secretário-geral Antônio Guterres foi na mesma linha e disse não haver alternativa a uma solução de dois Estados para israelenses e palestinos na qual o status de Jerusalém será definido entre as duas partes.

“Neste momento de grande ansiedade, quero deixar claro que não há plano B”, disse o português. “Farei de tudo para que os dois lados retornem à mesa de negociação.”

+ Guga Chacra: Há solução para o status final de Jerusalém?

O papa Francisco, em declarações feitas algumas horas antes do anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre Jerusalém, pediu nesta quarta-feira que o “status quo” da cidade seja respeitado, dizendo que tensões adicionais no Oriente Médio iriam inflamar ainda mais conflitos globais.

“Eu faço um apelo sincero para que todos se comprometam a respeitar o status quo da cidade, em conformidade com as pertinentes resoluções da Organização das Nações Unidas”, disse. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.