AFP PHOTO / Bertrand Guay
AFP PHOTO / Bertrand Guay

França elege número recorde de mulheres para Parlamento

Dos 577 deputados eleitos, 233 são mulheres, superando o valor de 155 obtido na eleição passada

O Estado de S.Paulo

19 Junho 2017 | 10h33

PARIS - A França elegeu um número recorde de mulheres para o Parlamento, de acordo com os resultados oficiais divulgados nesta segunda-feira, 19, após o vitorioso partido do presidente Emmanuel Macron, República em Marcha, apresentar uma lista de candidatos equilibrada em termos de gênero.

Dos 577 novos deputados eleitos, 233 são mulheres, superando o recorde anterior de 155 estabelecido na eleição passada.

Com isso, a França saltou da posição 64 para a 17 no ranking mundial de representação feminina parlamentar, e para o 6.º lugar na Europa, superando o Reino Unido e a Alemanha, de acordo com dados da União Interparlamentar compilados no início de junho.

A República em Marcha, que conquistou uma maioria dominante nas eleições de domingo, tem a maior proporção de mulheres eleitas, com 47%.

"Pela primeira vez sob a Quinta República (pós-guerra), a Assembleia Nacional será profundamente renovada, mais diversa, mais jovem", disse a presidente em exercício do partido, Catherine Barbaroux. "Mas acima de tudo, me permita desfrutar, porque esse é um evento histórico para a representação das mulheres na Assembleia Nacional".

A conquista de Macron redesenha a paisagem política da França, derrotando os partidos socialista e conservador que vinham se alternando no poder por décadas até a eleição de maio.

A República em Marcha e seu aliado de centro-direita, o Movimento Democrático, ganharam 350 cadeiras na Assembleia Nacional, após o recorde de menor comparecimento para uma eleição parlamentar na Quinta República francesa.

Os republicanos e seus aliados conservadores formarão o maior bloco de oposição no Parlamento com 131 cadeiras, enquanto a Frente Nacional, legenda de extrema-direita, conquistou 8 lugares. O Partido Socialista e seus aliados ganharam apenas 44, seu menor número em décadas. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.