França liberta 9 membros da oposição iraniana no exílio

Uma corte francesa de apelações ordenou nesta quarta-feira a libertação mediante pagamento de fiança da líder de um grupo iraniano no exílio e de outras oito pessoas detidas há duas semanas numa ampla operação de combate ao terrorismo, informaram autoridades ligadas ao Poder Judiciário da França. A corte parisiense ordenou a libertação de Maryam Rajavi, uma líder do grupo Mujahedin do Povo, e de oito de seus colegas. Todos continuam sob investigação por acusações ligadas a terrorismo. Outros dois membros encarcerados do mais influente movimento de oposição ao governo iraniano foram libertados no fim da noite de ontem. A corte ordenou que Rajavi pagasse ? 80.000 (cerca de US$ 93.000) para ser libertada sob fiança, disseram fontes segundo as quais ela não deverá deixar a prisão até amanhã ou sexta-feira. Rajavi e mais de outros 150 membros do grupo foram detidos numa ação policial promovida em 17 de junho contra a sede européia do grupo, uma estrutura fortificada na zona norte de Paris onde a polícia apreendeu US$ 9 milhões em dinheiro. Ao todo, 17 pessoas estão sob investigação - estágio anterior ao indiciamento formal - por suspeita de associação ou financiamento a grupos considerados terroristas. Seis suspeitos foram imediatamente libertados. "Este é o dia mais feliz da minha vida", declarou Shahin Gobadi, porta-voz do Conselho Nacional de Resistência do Irã, braço político dos Mujahedin do Povo. "Não havia mérito para as acusações", acredita.

Agencia Estado,

02 Julho 2003 | 15h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.