Governo brasileiro avalia fechar embaixada em Honduras

O chanceler Celso Amorim afirmou hoje que avaliará a partir de agora se fecha a embaixada do Brasil em Honduras ou se manterá a representação em um nível mais reduzido. De toda forma, um novo embaixador não será enviado para representar o País diante do governo eleito. "O certo é que não enviaremos um embaixador. Não temos como reconhecer a eleição. Se vamos fechar a embaixada, essa será uma decisão técnica que teremos de estudar", disse.

JAMIL CHADE, Agencia Estado

29 Novembro 2009 | 19h51

Na Europa, Amorim afirmou que estava mais interessado em saber o resultado do clássico espanhol Real Madrid e Barcelona, disputado hoje, que o das eleições em Honduras. O Brasil não reconhece as eleições no país centro-americano, mas o governo dá sinais de que busca um fim para a crise. "Estou mais interessado no resultado do Real Madrid. Essa eleição não é legítima, então não me interessa", ironizou o chanceler.

O ministro indicou que não haveria forma de o Brasil reconhecer o resultado do pleito. Mas deu sinais de dar um ponto final à crise. "Vamos desejar paz à Honduras", disse. Amorim também insistiu que os programas que a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) mantinha como Honduras e que foram suspensos não serão retomados. "Essa decisão é clara, infelizmente", disse. Amorim não disse quanto tempo mais Zelaya ficaria na embaixada do Brasil e afirmou que não saberia dizer quanto tempo mais o hondurenho precisaria da proteção brasileira.

Amorim ainda esclareceu que nunca usou o termo "hóspede" para classificar a situação de Zelaya. "Ele esteve lá para possibilitar o diálogo. Ele está lá sob nossa proteção", disse. Mais cedo, em uma conferência de imprensa em Genebra com outros ministros, Amorim não respondeu a uma pergunta da imprensa internacional sobre sua avaliação sobre as eleições. Apenas brincou, dizendo que deixaria a questão para ser respondida pela ministra do Comércio da Indonésia, que estava sentada ao seu lado.

Mais conteúdo sobre:
Honduras embaixada do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.