1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo dos EUA move ação contra cidade de Ferguson, fonte de tensão racial desde 2014

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 16h 42

Para procuradora-geral, Loretta Lynch, moradores da cidade sofreram 'privação de seus direitos constitucionais por décadas'

WASHINGTON - O Departamento de Justiça dos Estados Unidos acionou na quarta-feira a cidade de Ferguson, no estado do Missouri, que em 2014 se transformou em foco de tensão racial após o assassinato de um jovem negro por um policial branco, para fazer com que as autoridades locais realizem reformas policiais e judiciais.

"Os moradores de Ferguson sofreram a privação de seus direitos constitucionais, os direitos garantidos a todos os americanos, durante décadas", disse a procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, em entrevista coletiva.

Procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, anuncia processo contra o governo de Fergunson

Procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, anuncia processo contra o governo de Fergunson

Em agosto de 2014, o jovem negro Michael Brown foi morto por um policial branco que depois foi inocentado de todas as acusações, um episódio que gerou distúrbios nessa cidade do meio oeste americano e gerou o movimento "Black Lives Matter" ("Vidas negras importam", em tradução livre), que em pouco tempo se estendeu por todo o país.

Após esse episódio, a divisão de direitos civis do Departamento de Justiça iniciou uma investigação sobre as práticas policiais de Ferguson e publicou há um ano um relatório muito crítico. "As violações do Departamento de Polícia de Ferguson eram amplas e deliberadas. Eles violavam a quarta emenda (da Constituição) ao abordar gente sem suspeitas razoáveis, prendê-los sem causa e utilizar a força de forma irracional", afirmou Lynch.

"Essas violações não eram apenas degradantes, eram rotineiras. A prefeitura as encorajava a fim de conseguir receitas. Estavam motivadas, pelo menos em parte, pelo viés racial e ocorriam de forma desproporcional contra residentes afro-americanos. E eram profunda e fundamentalmente anticonstitucionais", acrescentou a procuradora-geral.

A titular de Justiça explicou que, após publicar esse relatório, seu departamento deu início a "negociações com a cidade de Ferguson para conseguir um acordo extrajudicial verificável por um tribunal que gerasse uma necessária reforma policial e da Justiça".

Mas, após 26 semanas de "duras negociações", o conselho municipal de Ferguson rejeitou na terça-feira o acordo "aprovado por seus próprios negociadores", por isso o Departamento de Justiça decidiu acionar a cidade em um tribunal federal, segundo Lynch.

O processo "alega uma pauta ou uma prática de conduta das forças de segurança que violam a primeira, a quarta e a 14ª emendas da Constituição e as leis federais de direitos civis", declarou a procuradora-geral. "Pretendemos impulsionar este caso de forma enérgica e não tenho nenhuma dúvida que prevaleceremos", acrescentou Lynch.

Antes de o Departamento de Justiça anunciar a abertura do processo, o prefeito de Ferguson, James Knowles, disse que o conselho municipal queria continuar negociando com as autoridades federais e estava preocupado com o alto custo das reformas policiais, já que a cidade acumula uma dívida de cerca de US$ 2,8 milhões.

"Se fracassarmos nisto, não será bom para ninguém", afirmou Knowles em entrevista coletiva.

No entanto, a titular do Departamento de Justiça ressaltou que os moradores de Ferguson não podem esperar mais para que a prefeitura "adote um acordo que proteja seus direitos e os mantenha seguros". "Esperaram décadas para que se faça justiça. Eles não deveriam ser forçados a esperar mais", ressaltou a procuradora-geral. / EFE, AP e NYT

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX