Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Governo sul-africano se irrita com coelho em escultura de Mandela

Internacional

Governo sul-africano se irrita com coelho em escultura de Mandela

0

O Estado de S. Paulo ,

22 Janeiro 2014 | 17h17

JOHANESBURGO - Um coelho de bronze dentro da orelha de uma estátua do líder antiapartheid Nelson Mandela está provocando debate na Africa do Sul.

O governo ordenou aos escultores que retirem imediatamente o animal da obra inaugurada após a morte de Mandela, no centro de Pretória, enquanto vários sul-africanos defendem a presença do simpático roedor na entrada do ouvido do herói nacional.

"Coelho" na língua afrikaans – falada originalmente por colonos holandeses – é "haas", que também significa "rapidez". Os escultores colocaram o animal para reclamar que foram obrigados a fazer rapidamente a estátua de nove metros de Mandela, que desde o dia do enterro do ex-presidente – 16 de dezembro – virou atração em uma praça cercada por prédios do governo, na capital.

À rede BBC, os dois responsáveis pela estátua negaram que o coelho seja ofensivo e pediram desculpas se a família Mandela ou o governo de Pretória se incomodaram com o bichinho. Eles afirmam que, em vez disso, o animal é uma forma de deixar registrada a marca dos dois, depois que eles foram proibidos de colocar suas assinaturas na calça do ex-presidente sul-africano e obrigados a finalizar a obra em curtíssimo espaço de tempo.

Só é possível ver o coelho com binóculos, justificou um dos artistas, Andre Prinsloo, dizendo que eles não quiseram retirar nada da obra. "Antes de erguermos a estátua, muita gente viu ela e ninguém nem reparou", disse.

Um porta-voz do governo criticou duramente os escultores, dizendo que é preciso remover o coelho "para restaurar a dignidade da estátua". "Não achamos que isso é apropriado, pois Mandela nunca teve um coelho na orelha", disse Mogomotsi Mogodiri, do Departamento de Arte e Cultura. Resta agora definir o dia da remoção.

Mandela é comumente chamado de "pai dos sul-africanos", uma figura cuja liderança – decisiva para enterrar as leis raciais que vigoraram até os anos 90 na África do Sul – atravessou clivagens raciais e sociais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.