REUTERS/Edgard Garrido
REUTERS/Edgard Garrido

Grupo de Lima diz que eleição na Venezuela é ilegítima e pede adiamento

Para organização formada por Brasil e mais 11 países - e apoiada por EUA e Espanha -, votação presidencial marcada para o dia 20 não tem 'garantias de processo livre'; são estudadas ações coletivas ou individuais nos campos diplomático, econômico, financeiro e humanitário

Lu Aiko Otta / Brasília, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 15h08

BRASÍLIA - O Brasil e mais 11 países que compõem o chamado "grupo de Lima" lançaram na noite de segunda-feira, 14, um apelo para que a Venezuela adie a eleição presidencial convocada para o próximo dia 20, por considerar que o processo é "ilegítimo" e "carece de credibilidade".

Brasil e outros cinco países avaliam medidas jurídicas para destravar Unasul

Os ministros das Finanças e das Relações Exteriores reuniram-se na Cidade do México. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo e funcionários do Departamento de Tesouro americano participaram do encontro por videoconferência. 

Na avaliação do grupo, as eleições não devem ser realizadas porque "foram convocadas por uma autoridade ilegítima, sem a participação de todos os atores políticos venezuelanos, sem observação internacional independente e sem as garantias necessárias para um processo livre, justo, transparente e democrático".

Os países participantes discutiram também ações que poderão ser tomadas de forma coletiva ou individual após o dia 20 nos campos diplomático, econômico, financeiro e humanitário. E se comprometeram a discutir outras iniciativas para "contribuir para o restabelecimento da institucionalidade democrática, o respeito aos direitos humanos e o pleno respeito ao estado de direito naquele país irmão".

Grupo de Lima contesta eleição venezuelana

Participaram da reunião representantes de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia. O encontro contou ainda com representantes da Espanha e dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.