Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Grupos armados atacaram hospital infantil na Venezuela, diz chanceler

Internacional

Cristian Hernández/EFE

Grupos armados atacaram hospital infantil na Venezuela, diz chanceler

Incidente teria intoxicado 52 pacientes; Delcy Rodríguez disse também que Nicolás Maduro deu 'instrução para esvaziar o hospital e proteger crianças e recém-nascidos'

0

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2017 | 01h12
Atualizado 21 Abril 2017 | 09h15

CARACAS - Grupos armados teriam atacado um hospital infantil com 54 crianças na noite de quinta-feira 20 na Venezuela, e os pacientes teriam sido retirados do hospital, afirmou a chanceler venezuela, Delcy Rodríguez, que responsabilizou a oposição do governo de Nicolás Maduro pelo ataque. 

"Denuncio ante a comunidade internacional que grupos internacionais armados contratados pela oposição atacaram um hospital materno infantil com 54 crianças", afirmou Delcy em sua conta no Twitter. O hospital fica no bairro de El Valle, no sul da capital venezuelana

Ela não deu mais detalhes sobre o ocorrido, mas acrescentou em outra mensagem que Maduro deu "a instrução para esvaziar o hospital e proteger crianças e recém-nascidos". 

De acordo com meios de comunicação venezuelanos, quando a polícia tentou dispersar com gás lacrimogêneo os opositores, eles entraram no hospital infantil Comandante Supremo Hugo Rafael Chávez Frías. Como resultado, 52 pacientes, entre mães e crianças, ficaram intoxicaram e 18 foram transferidos para outros centros assistenciais. 

Novos conflitos entre grupos de manifestantes e forças de segurança foram registrados na madrugada em áreas como Paraíso, a oeste do país, e Urbina, a leste. 

Milhares de manifestantes voltaram às ruas da Venezuela na quinta-feira em mais um dia de protestos para exigir a saída de Maduro. Eles foram dispersados pela tropa de choque com bombas de gás lacrimogêneo e jatos d'água. 

Os protestos da oposição ganharam força no dia 1.º de abril para exigir eleições e respeito às decisões do Poder Legislativo. Oito pessoas morreram e centenas foram feridas e detidas. / AFP e EFE

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.