AP Photo/Moises Castillo
AP Photo/Moises Castillo

Guatemala pede a troca dos embaixadores da Suécia e Venezuela

Segundo o Ministério das relações exteriores da Guatemala, substituição foi motivada por 'ingerência'

O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 04h44

O governo da Guatemala solicitou na quinta-feira, 10, através do canal diplomático, a mudança dos embaixadores da Suécia, Anders Kompass, e da Venezuela, Elena Alicia Salcedo, por "ingerência".

"No desempenho de suas funções, eles submergiram atitudes que resultaram em interferência nos assuntos internos do Estado da Guatemala, não em conformidade com a política externa do país", disse o Ministério das Relações Exteriores, através de um comunicado. O governo da Guatemala, que já solicitou a troca, espera que os respectivos governos apresentem as propostas dos novos chefes de missão para "iniciar o processo de assentimento dos candidatos".

+ Ex-presidente da Guatemala Álvaro Arzú morre aos 72 anos

A ministra das Relações Exteriores, Sandra Jovel, conversou rapidamente com a imprensa e afirmou que as solicitações foram trabalhadas com as chancelarias da Suécia e Venezuela e que cada embaixador recebeu o motivo "específico" para solicitar as trocas o "mais rápido possível".

"É uma decisão soberana da República da Guatemala e isso não significa que haja uma má relação com os governos", disse a chanceler, que não quis entrar em detalhes sobre o que motivou a decisão, mas acrescentou que o motivo que levou a Guatemala a pedir a substituição do diplomata sueco teve a ver com ele ter chamado de "corrupta toda a sociedade" da Guatemala, uma declaração negada por Kompass.

+ Guatemala anuncia transferência da embaixada em Israel para Jerusalém

"Esses tipos de comentários não são próprios de um embaixador", disse Sandra Jovel, reiterando se tratar de uma "decisão de política externa" que vem "trabalhando há meses" e acrescentou que isto não afeta as relações bilaterais com os dois países. A ministra rejeitou que pedirá a retirada de outros diplomatas, pois espera que "eles saibam se comportar". /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.