1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Hamas apoia adesão Palestina a Tribunal Internacional

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2014 | 09h 21

Decisão poderá expor Israel e Hamas a investigações internacionais de crimes de guerra

Hamas assinou uma promessa de apoiar qualquer proposta palestina para se juntar Tribunal Penal Internacional (TPI), disseram duas autoridades do grupo neste sábado, 23. A decisão poderá expor Israel - bem como o Hamas - a investigações de crimes de guerra.

O presidente palestino Mahmoud Abbas debateu durante meses sobre sua adesão ao tribunal, uma medida que transformaria suas relações com Israel de tensas a abertamente hostis.

No mês passado, Abbas obtive promessas por escrito de apoio do movimento Fatah, do qual faz parte, e de outras facções na Organização para a Liberação da Palestina, e disse que também buscaria um apoio formal do Hamas, seu principal rival político.

Hamas disse durante semanas que estava estudando a ideia. Se Abbas recorrer ao tribunal, o Hamas poderá ser investigado por seu lançamento de foguetes indiscriminadamente contra Israel por mais de uma década, enquanto Israel poderia ser investigado por suas ações na atual guerra de Gaza, bem como sobre a construção de assentamentos nas terras conquistadas durante os confrontos.

Abbas se reuniu nos últimos dois dias no Qatar com o principal líder do Hamas exilado, Khaled Mashaal. Mais cedo neste sábado, um dos líderes do Hamas Moussa Abu Marzouk escreveu em sua página do Facebook que o "Hamas assinou um documento" de apoio que Abbas pediu. Outro membro do Hamas Izzat Rishq confirmou que o documento foi assinado. A publicação no Facebook foi divulgada nos sites de notícias do grupo.

Abu Marzouk e Rishq não explicaram as razões do Hamas para ter aceitado apoiar a proposta da participação palestina. Os assessores de Abbas não fizeram nenhum comentário e não houve nenhuma reação imediata de Israel, que se recusou a se juntar ao tribunal.

Recorrer ao Tribunal Penal Internacional (TPI) se tornou uma opção para Abbas em 2012, depois da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) ter reconhecido a "Palestina" na Cisjordânia, Gaza e leste de Jerusalém, terras capturadas por Israel em 1967, como um estado observador não-membro. A melhora da classificação para um estado abriu a porta para o pedido para que o tribunal tenha jurisdição na Palestina. Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo