Hamas diz que ataques foram "ato terrorista"

Os Estados Unidos cometeram um "ato de terrorismo" ao bombardearem o Afeganistão, disseram hoje dois altos diretores do Hamas, o xeque Hassan Yussef e Abdel Raziz Rantisi. Em uma declaração ao canal de televisão árabe Al-Jazeera, Rantisi também expressou solidariedade ao líder da rede Al-Qaeda, Osama bin Laden. Cuba diz que guerra "é a favor do terrorismo" O governo cubano afirmou hoje que os ataques militares contra o Afeganistão são "uma guerra a favor do terrorismo". Em um editorial no jornal Gramna, órgão oficial do Partido Comunista de Cuba (PCC), Havana sustenta que não se trata de uma guerra contra o terrorismo, "que deveria e poderia ser derrotado por outros meios verdadeiramente eficazes, rápidos e duradouros". Segundo o governo, "é uma guerra a favor do terrorismo, cujas operações militares o farão muito mais complicado e difícil de erradicar. Um remédio pior que a doença". Mexicanos são contrários aos ataques A maioria dos mexicanos rechaça a ofensiva militar norte-americana contra o Afeganistão, revelou uma pesquisa divulgada hoje. De acordo com a sondagem, realizada via telefone pelo jornal Reforma, 67% dos cidadãos do México discordam dos ataques de Washington e seus aliados, enquanto que 27% são favoráveis. Ainda segundo a pesquisa, 86% dos mexicanos acreditam que os Ataques gerarão uma maior incerteza com relação à economia mundial Venezuela critica ataques O ministro da Defesa da Venezuela, José Vicente Rangel, rechaçou hoje os ataques militares anglo-americanos contra o Afeganistão afirmando que não se pode responder à "irracionalidade" do terrorismo com a irracionalidade da guerra. Leia o especial

Agencia Estado,

08 Outubro 2001 | 15h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.