George Tames/The New York Times
George Tames/The New York Times

Herói na crise dos reféns, embaixador que abrigou americanos no Irã morre aos 81 anos

Ken Taylor tinha 81 anos e lutava contra um câncer; em 2012, filme 'Argo' destacou seu papel para salvar os diplomatas americanos após a tomada da embaixada em Teerã, em 1980

O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2015 | 16h16

TORONTO - O ex-embaixador canadense Kenneth D. Taylor, uma das principais figuras na fuga de americanos durante a crise de reféns no Irã e imortalizado no filme Argo, de 2012, morreu na noite de quinta-feira, 15, em um hospital de Nova York, aos 81 anos. Ken lutava contra um câncer, segundo informações do Wall Street Journal

O diplomata fez parte do plano conhecido como "Subterfúgio canadense", que foi criado para repatriar americanos reféns em Teerã, pouco após a Revolução Islâmica, em 1979. Na ocasião, um grupo de agentes da CIA foram enviados à capital iraniana, com passaportes canadenses expedidos a pedido do embaixador, com a alegação de que fariam uma filmagem no país.

Após permanecerem escondidos na embaixada canadense, os infiltrados resgataram seis diplomatas e os levaram para a Suíça e, em seguida, para a Florida. Os outros 46 reféns foram libertados entre janeiro de 1980 e janeiro de 1981. A crise dos reféns durou 444 dias. 

A ação do embaixador canadense rendeu a ele e à sua mulher, Patricia, a Ordem do Canadá, uma das principais comendas do país. Seu papel ativo no episódio foi representado em dois filmes: em 1981, no especial para a TV Escape from Iran: The Canadian Caper, foi vivido por Gordon Pinsent; Em 2012, em Argo (nome da produção fictícia criada para a operação), que venceu o Oscar de melhor filme, foi interpretado por Victor Garber. 

Veja o trailer de 'Argo':

Mais conteúdo sobre:
Irã crise dos reféns Ken Taylor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.