Kevin Lamarque/Arquivo/Reuters
Kevin Lamarque/Arquivo/Reuters

Hillary pede divulgação dos e-mails de quando era secretária de Estado

'NYT' revelou nessa semana que Hillary enviou e-mails de uma conta pessoal enquanto estava no cargo

O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 08h58

WASHINGTON - A ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton disse na quarta-feira 4 em sua conta no Twitter ter pedido ao Departamento de Estado para publicar os e-mails que enviou de uma conta privada durante os quatro anos em que ficou no cargo. "Quero que os cidadãos vejam meus e-mails. Pedi ao Departamento de Estado que os publiquem e me disseram que serão revisados para publicação o mais rápido possível", escreveu em seu Twitter.

Essa é a primeira reação de Hillary após o jornal New York Times revelar na segunda-feira que enquanto era secretária de Estado (2009-2013), ela enviou seus e-mails profissionais de uma conta privada, nunca teve uma conta oficial do governo e não entregou as mensagens ao Departamento de Estado até dezembro do ano passado, quando foi solicitada a fazer isso, dois anos depois de deixar o cargo.

O que levantou suspeitas não é apenas o fato dela usar exclusivamente uma conta privada, algo que não é habitual em altos cargos do governo, mas não entregar as mensagens até o Departamento de Estado fazer a solicitação há dois meses. A lei americana determina que todas as comunicações dos funcionários do governo fiquem arquivadas nas respectivas agências e departamentos.

Pouco depois da mensagem de Hillary, o Departamento de Estado explicou em uma breve nota que revisará os e-mails "usando o processo e as diretrizes frequentes neste tipo de casos". "Faremos a revisão o mais rápido possível, mas dado o volume de documentos, o processo demorará um tempo para se completar", disse a porta-voz adjunta Marie Harf.

Antes de Hillary se pronunciar sobre o tema, o comitê do Congresso que investiga os ataques terroristas de 2012 em Benghazi (Líbia) pediu que ela publicasse os e-mails. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.