1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Hillary usa fidelidade ao partido contra Sanders em caucus

- Atualizado: 20 Fevereiro 2016 | 12h 14

Pré-candidata democrata tenta conter ascensão do rival ‘outsider’ antes de decisão importante no Estado de Nevada

LAS VEGAS - Batalhando para conter a ascensão de Bernie Sanders às vésperas do caucus democrata em Nevada, Hillary Clinton desafiou seu rival, questionando a devoção do candidato – que por muito tempo se disse independente – ao Partido Democrata que ele pretende liderar.

Ela o acusou de atacar os dois presidentes democratas mais recentes – Barack Obama e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton – que continuam sendo figuras políticas populares entre os eleitores democratas.

 

 
 

“Não sei de onde vem tudo isso”, Hillary afirmou num fórum transmitido pela MSNBC em Las Vegas, na noite de quinta-feira. “Talvez o senador Sanders não fosse um democrata de fato, até concorrer à presidência. “É verdade, é verdade”, ela reiterou, ao receber algumas vaias do público.

Hillary espera usar uma eventual vitória nas prévias de hoje em Nevada como trampolim para as primárias na Carolina do Sul, no dia 27, e na série de primárias da Super Terça, nas quais é favorita pela força que tem entre os afro-americanos.

Nos últimos dias, ela convocou uma lista de líderes negros e latinos para defendê-la diante dos eleitores das chamadas minorias, que terão um peso muito maior nessas primárias do que nas anteriores realizadas em Iowa e New Hampshire.

Sanders definiu algumas das principais realizações do presidente Bill Clinton, como o Acordo de Livre Comércio para a América do Norte (Nafta) e a reforma da previdência, como “desastrosas”.

Na reta final de campanha para a decisão de hoje, ambos os candidatos trabalharam para conquistar os eleitores das minorias, uma questão fundamental para o Partido Democrata. Em um encontro com eleitores em Las Vegas, eles prometeram fazer da reforma do sistema de imigração do país a principal prioridade de seus respectivos governos, se chegarem à Casa Branca. Hillary disse que cuidará da questão nos cem primeiros dias de sua presidência.

Mas também responderam a perguntas muito difíceis. Hillary foi pressionada a explicar porque se recusara a entregar as transcrições dos discursos pagos que ela pronunciou para algumas das principais instituições financeiras do país. “Terei a maior satisfação em entregar tudo que tenho desde que todos os outros façam o mesmo”, respondeu. “Todos os outros candidatos nessa disputa discursaram para grupos privados, incluindo o senador Sander.”

Alguns dos principais defensores latinos de Hillary levantaram questões sobre a defesa de Sanders a respeito dos imigrantes, afirmando que o senador de Vermont votou reiteradamente contra a lei sobre imigração.

A campanha de Hillary vem afirmando que o apelo de Sanders se limita aos liberais brancos, uma parcela relativamente reduzida do Partido Democrata. Uma vitória hoje mostraria que o alcance do apoio dele se assemelha à coalizão que por duas vezes levou Obama à Casa Branca. / AP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX