Homem atropela pedestres ‘deliberadamente’ em Toulouse e deixa três estudantes feridos

Homem atropela pedestres ‘deliberadamente’ em Toulouse e deixa três estudantes feridos

Segundo informações da polícia, motorista tem 28 anos e não estava fichado por radicalização; ele foi preso no local logo após a ação

O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2017 | 14h47
Atualizado 10 Novembro 2017 | 18h10

TOULOUSE, FRANÇA - Um homem atropelou “deliberadamente” nesta sexta-feira, 10, os pedestres que estavam na região de Blagnac, próximo a Toulouse, na França. Policiais disseram que três estudantes ficaram feridos e uma está em estado grave.

+ França acaba com estado de emergência e introduz nova lei de segurança

O motorista do veículo, de 28 anos, foi preso no local logo após a ação. Ele não estava fichado por radicalização, mas era procurado por delitos comuns. Segundo o promotor local, Pierre-Ives Couilleau, no perfil psiquiátrico do motorista aparece que ele havia obtido a liberdade condicional nos dois casos de delito, mas com a obrigação de continuar com tratamento mental. De acordo com a promotora adjunta, o condutor ter graves antecedentes psiquiátricos e por isso tinha sido internado em dezembro.

 

Couilleau garantiu que o atropelamento não teve nenhuma motivação terrorista. Policiais disseram que ele mora perto da universidade e admitiu que havia atropelado os jovens deliberadamente ao ser preso.

Os três estudantes feridos quando atravessavam uma rua na passagem de pedestres de um câmpus    são de origem chinesa: duas mulheres de 23 anos e um homem. Uma delas está em estado mais grave, mas os policiais disseram que sua vida não está em risco.

Em julho de 2016, um terrorista lançou um caminhão contra uma multidão que assistia à queima de fogos em uma praia da cidade de Nice, sul da França, em comemoração pelo Dia da Queda da Bastilha. Oitenta e quatro pessoas morreram e 16 ficaram feridas. O motorista, que foi morto, foi identificado como Mohamed Bouhlel, de 31 anos, um indivíduo com nacionalidades francesa e tunisiana autor de crimes comuns não associado a redes terroristas. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.