AFP PHOTO / Csaba SEGESVARI
AFP PHOTO / Csaba SEGESVARI

Hungria quer reter refugiados em centros de registro na fronteira

Governo apresenta ao Parlamento uma emenda legislativa que permitirá reter temporariamente os refugiados em centros de registro localizados na fronteira; medida, segundo os defensores dos direitos humanos, viola as normas da UE

O Estado de S. Paulo

14 Fevereiro 2017 | 15h22

BUNDAPENSTE - O governo húngaro apresentou nesta terça-feira, 14, ao Parlamento uma emenda legislativa que permitirá reter temporariamente os refugiados em centros de registro localizados na fronteira. A medida, segundo os defensores dos direitos humanos, viola as normas da União Europeia (UE).

O governo argumenta que a medida serve para "reforçar o fechamento legal das fronteiras do país", explicou Bence Tuzson, secretário de Estado de Comunicação, segundo a agência MTI.

Tuzson espera que a lei entre em vigor no fim do primeiro semestre deste ano, uma vez superado o trâmite parlamentar.

A proposta modifica quatro leis relacionadas à imigração e à proteção das fronteiras para permitir que todos os requerentes de asilo que entrarem na Hungria possam ser retidos em centros especiais enquanto seus pedidos são analisados.

"Nem o direito comunitário, nem o Convênio Europeu de Direitos Humanos, nem a legislação húngara permitem a detenção em massa de requerentes de asilo sem um trato pessoal e sem justificativa", denunciou a ONG Comitê de Helsinque em comunicado.

Esta organização argumenta que, em casos concretos, a detenção pode estar justificada, mas que sua aplicação a coletivos inteiros é "um exemplo da detenção em massa ilícita, algo que já não existe na Europa há décadas".

O próprio primeiro-ministro, o conservador Viktor Orbán, já reconheceu em janeiro que esta emenda é contrária à legislação da União Europeia.

Segundo a legislação comunitária, só se pode impedir a livre circulação das pessoas de forma individual se existir um risco comprovado para a segurança.

Antes de 2013, quando chegavam muito menos imigrantes, a detenção de refugiados em centros de internamento era uma prática quase automática na Hungria, que só terminou pelas pressões da Comissão Europeia, da ONU e do Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

Até agora, os solicitantes de asilo eram transferidos a centros de amparo abertos, de onde a maioria saía para continuar sua viagem rumo a outros países mais ricos da UE.

A Hungria instalou em 2015 alambrados em suas fronteiras do sul para deter o fluxo de refugiados, e o Parlamento aprovou leis que punem com até 5 anos de prisão a entrada ilegal no país. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Hungria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.