1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Hungria realizará referendo sobre projeto de cotas de refugiados

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 19h 31

Premiê conservador, conhecido por erguer cerca na fronteira, diz que voto será teste para a democracia europeia

BUDAPESTE - O primeiro-ministro da Hungria, o conservador Viktor Orbán, anunciou nesta quarta-feira que seu governo organizará um referendo sobre o plano europeu de cotas obrigatórias para distribuir os refugiados entre os países-membros do bloco.

“Você quer que a União Europeia (UE) disponha, sem o consentimento do Parlamento (da Hungria) sobre o assentamento de cidadãos não húngaros na Hungria?”, disse Orbán. “Esta será a pergunta da consulta e o Executivo apoiará o ‘não’.”

Premiê húngaro anuncia que realizará referendo sobre cotas de refugiados

Premiê húngaro anuncia que realizará referendo sobre cotas de refugiados

“Quem votar pelo ‘não’ votará pela independência da Hungria”, afirmou o premiê, que se opôs desde o início ao sistema de cotas obrigatórias para realocar os refugiados.

Orbán não especificou quando o referendo será realizado. “A democracia é uma das bases mais importantes da UE. Não podemos tomar decisões sem consultar o povo”, acrescentou. Nos últimos meses, ele criticou várias vezes as políticas europeias na atual crise migratória.

“A pergunta mais importante é sobre quem compõe a nação”, avaliou primeiro-ministro. Ele afirmou que uma instituição supranacional não pode impor decisões tão importantes e voltou a dizer que os refugiados põem em perigo a identidade europeia, por redefinir o mapa étnico, religioso e cultural da região.

“Estas cotas modificariam a identidade cultural e religiosa da Europa”, acrescentou Orbán, insistindo que “nem Bruxelas nem nenhuma instituição europeia tem direito a isso”.

A Hungria, juntamente com outros países do Leste Europeu, como Polônia, República Checa e Eslováquia, se opõe ao sistema de cotas fixado em setembro. O governo de Budapeste já havia apresentado, em dezembro, um recurso contra a decisão no Tribunal Europeu de Justiça.

Segundo o sistema de cotas, a Hungria, país de 10 milhões de habitantes, deveria receber 2.352 refugiados. O governo de Orbán fechou em outubro suas fronteiras com cercas para barrar a entrada de refugiados e ofereceu ajuda material e humana à Macedônia para também proteger as fronteiras do país com uma cerca.

Orbán disse nesta quarta-feira que “o caminho escolhido pelo governo (húngaro) é parte da política europeia” e encorajou outros países a seguir a mesma solução contra a adoção de cotas. O primeiro-ministro húngaro disse que o referendo – o primeiro do gênero na Europa – será um grande teste para a democracia no bloco. A UE não comentou o anúncio, dizendo apenas que estava tentando entender o que realmente Orbán estava propondo. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX