Alaa Alyousef via AP
Alaa Alyousef via AP

Imagem de pai com filhos gêmeos mortos nos braços expõe drama na Síria após ataque 

O sírio não apenas perdeu seus dois filhos, mas também sua mulher, dois irmãos, dois sobrinhos e uma sobrinha no ataque de terça-feira com armas químicas no povoado de Khan Sheikhoun, onde morreram 86 pessoas 

O Estado de S. Paulo

05 Abril 2017 | 18h51

BEIRUTE - A fotografia do sírio Abdel Hameed Alyousef segurando seus filhos gêmeos de 9 meses mortos após o ataque com armas químicas na Síria tornou-se um símbolo da última tragédia da guerra síria. Com os meninos Aya e Ahmed, um em cada braço, Alyousef segurou as lágrimas ao se despedir deles: "Adeus, bebês, adeus", disse abraçado aos corpos das crianças já sem vida. 

O sírio não apenas perdeu seus dois filhos, mas também sua mulher, dois irmãos, dois sobrinhos e uma sobrinha no ataque de terça-feira com armas químicas no povoado de Khan Sheikhoun, onde morreram 86 pessoas. 

Nas imagens compartilhadas com a agência Associated Press, Alyousef está sentado em uma van com os gêmeos, com olhos arroxeados, e pede a sua prima Alaa que grave o vídeo de sua despedida. 

Alyousef relatou à Associated Press que quando o bombardeio ocorreu, ele estava com os filhos e os retirou de casa junto com sua mulher. "Estavam conscientes no início, mas dez minutos depois percebemos o cheiro", contou o sírio, um comerciante de 29 anos. Os gêmeos e sua mulher, Dalal Ahmed, começaram a se sentir mal. 

Ele os levou aos paramédicos, acreditando que estavam bem, e retornou à casa para buscar pelos outros parentes. Encontrou os corpos de seus irmãos e sobrinhos, assim como de vizinhos e amigos. "Não consegui salvar ninguém. Todos estão mortos", disse. 

"Alyousef está muito mal", disse sua prima Alaa. Ele está recebendo tratamento por também ter sido exposto a uma substância neurotóxica. "Mas ele está especialmente mal por sua grande perda." / AP 

Mais conteúdo sobre:
Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.