REUTERS/David French
REUTERS/David French

Bombeiros apagam incêndio em arranha-céu de Dubai

Em fevereiro de 2015, o mesmo edifício foi afetado por um incêndio; na época, pouco mais de mil moradores tiveram de deixar seus apartamentos

AP e Reuters, Dubai

03 Agosto 2017 | 20h18
Atualizado 03 Agosto 2017 | 22h44

DUBAI - Os bombeiros levaram quatro horas para apagar um incêndio nesta quarta-feira, 4, no Marina Torch, edifício residencial de 86 andares, um dos mais altos de Dubai, nos Emirados Árabes. Pelo menos quatro batalhões foram destacados para combater o fogo, segundo a imprensa local. Autoridades disseram que não sabem o que começou as chamas ou quantas pessoas estavam dentro do prédio, que foi rapidamente esvaziado, segundo a Defesa Civil. Ninguém se feriu. 

Imagens compartilhadas ontem nas redes sociais mostraram as chamas se espalhando pela torre, destroços desabando e atingindo carros que estavam parados na rua. A eletricidade foi imediatamente cortada e as ruas foram isoladas. 

Segundo a polícia, o incêndio começou à 1 hora (18 horas em Brasília) no 67.º andar. À medida que os destroços caíam, o fogo se espalhou rapidamente para outras partes do prédio. No total, o Marina Torch abriga 676 apartamentos residenciais. Testemunhas relataram pânico. “Acordamos no meio da noite com gritos. Pegamos a escada e levamos 10 minutos para chegar ao 50.º andar”, disse um morador ouvido pela Reuters

 

Em fevereiro de 2015, o mesmo edifício foi afetado por um incêndio. Na época, pouco mais de mil moradores tiveram de deixar seus apartamentos. O fogo teria começado em uma churrasqueira localizada em uma das varandas, na parte intermediária do arranha-céu de pouco mais de 330 metros de altura. 

Assim como na madrugada desta quarta-feira, as chamas atingiram dois lados e pedaços de vidro e de metal também despencaram de parte do edifício. Na ocasião, moradores de outros dois prédios vizinhos tiveram de deixar suas casas por questão de segurança. Sete pessoas ficaram feridas, mas ninguém morreu. As chamas foram apagadas por completo três horas após o início do fogo. 

Em 2016, as autoridades municipais deram permissão para o começo das obras de restauração do arranha-céu, especialmente do revestimento da fachada, bastante afetada em 2015. A polícia de Dubai, no entanto, não soube dizer se os trabalhos de reconstrução têm alguma relação com o incêndio de agora.

Mais conteúdo sobre:
Emirados Árabes Unidos Dubai incêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.