REUTERS/Navesh Chitrakar
REUTERS/Navesh Chitrakar

Indiana de 10 anos que foi estuprada e impedida de fazer um aborto dá à luz a uma menina

Segundo uma agência de notícias local, a jovem não sabe que teve um bebê, já que seus pais lhe disseram que ela teve uma pedra no estômago e precisaria passar por uma cirurgia

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2017 | 11h35

NOVA DÉLHI - Uma indiana de 10 anos, vítima de estupro que teve rejeitado pela Suprema Corte seu pedido para fazer um aborto, deu à luz a uma menina nesta quinta-feira, 17.

A garota, que não teve sua identidade revelada por questões legais, foi estuprada inúmeras vezes por um tio, que está preso.

Em julho, seus pais pediram ao Supremo que autorizassem a menina a fazer um aborto tardio, mas a solicitação foi negada.

A legislação indiana não permite esse tipo de intervenção depois das 20 primeiras semanas de gravidez, a não ser em casos de ameaça à vida da mãe ou do feto.

"Ela deu à luz por cesariana hoje (quinta-feira). Tanto a menina quanto seu bebê passam bem", disse o médico Dasari Harish, na cidade de Chandigarh. "A cirurgia foi tranquila. Não houve qualquer complicação. O bebê nasceu com 2,2 quilos e está na UTI neonatal agora.”

Segundo a agência de notícias Press Trust of India, a menina não sabe que teve um bebê, e a família decidiu colocá-lo para adoção. Seus pais lhe disseram que ela teve uma pedra no estômago e, por isso, precisou fazer uma cirurgia para retirá-la.

A Índia conta com um recorde de violência sexual de menores, com cerca de 20 mil casos de estupro, entre outros atos violentos, registrados em 2015, de acordo com dados do governo. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Índia [Ásia] Estupro Abuso Sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.