EFE
EFE

Investigadores sul-coreanos querem revistar residência oficial da presidente

Promotores estão avaliando ‘os termos legais’ para fazer as buscas; Park Geun-hye é acusada de corrupção e tráfico de influência

O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2016 | 12h51

SEUL - Os responsáveis pela investigação independente sobre as acusações de corrupção envolvendo a presidente sul-coreana, Park Geun-hye, e sua amiga Choi Soon-sil revelaram nesta sexta-feira, 15, que querem revistar a residência oficial da líder.

Após revisar o material disponibilizado pelos promotores sobre o caso de corrupção e tráfico de influência que atinge Park, a equipe de investigadores chegou à conclusão de que é necessário buscar provas na Casa Azul, explicou um de seus porta-vozes em entrevista coletiva.

Ele disse que estão sendo procurados "os termos legais" para fazê-lo, já que em vários ocasiões o escritório presidencial negou o acesso aos promotores do caso, que levou na semana passada à destituição temporária da presidente.

Os responsáveis da Casa Azul rejeitam a possibilidade de uma revista ao escritório presidencial alegando problemas de segurança nacional, mas disponibilizaram os documentos solicitados aos promotores, afirmou o jornal The Korea Times. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Park Geun-hye Corrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.