1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Irã acusa Arábia Saudita de agravar tensões entre os dois países

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 12h 33

Riad rompeu relações diplomáticas com Teerã no domingo após a execução de um importante clérigo xiita. Rússia afirmou que está disposta a atuar como intermediária na disputa entre as nações

DUBAI - O Irã acusou nesta segunda-feira, 4, a Arábia Saudita de usar o ataque contra sua embaixada em Teerã como pretexto para agravar as tensões e os confrontos entre os dois países. No domingo, Riad rompeu relações diplomáticas com os iranianos após a execução de um importante clérigo xiita.

"A Arábia Saudita baseia sua existência na continuidade das tensões e dos enfrentamentos, e tenta resolver seus problemas internos exportando-os ao exterior", disse Hossein Jaber Ansari, porta-voz da diplomacia iraniana.

Protestos contra execução de clérigo xiita
EFE/SHAHZAIB AKBAR
Protestos contra execução de clérigo xiita

Muçulmanos paquistaneses protestam contra a execução do clérigo xiita Nimr Baqir al-Nimr, em Karachi, no Paquistão. No sábado, 2, 47 pessoas foram condenadas por "terrorismo", incluindo jihadistas sunitas da Al-Qaeda e Nimr, importante figura do movimento de contestação ao regime da família real saudita

O Irã afirmou que o rompimento das relações diplomáticas não apagará o "erro estratégico" da execução do clérigo xiita saudita Nimr Baqer al-Nimr.

As relações entre Arábia Saudita, um país sunita, e Irã, xiita, passam por constantes atritos desde a Revolução Iraniana de 1979, que acabou com a monarquia do xá e instaurou a República Islâmica.

Em um novo episódio de tensão, um grupo não identificado abriu fogo no domingo à noite contra a polícia saudita na cidade natal do líder xiita, onde uma pessoa morreu, informou a imprensa oficial.

As autoridades de Riad anunciaram então a ruptura das relações diplomáticas com o Irã, após os ataques contra suas sedes diplomáticas em Teerã e Mashhad, incendiadas no sábado.

O ministro saudita das Relações Exteriores, Adel al-Jubeir, deu 48 horas aos funcionários da representação diplomática iraniana para abandonar o país. Os ataques contra as sedes diplomáticas sauditas são "uma violação flagrante das convenções internacionais", disse o chanceler.

Jaber Ansari afirmou que o Irã "respeita seus compromissos para proteger as representações diplomáticas, manter sua segurança e a de seus diplomatas". O irmão de Nimr condenou os ataques contra as sedes diplomáticas sauditas e criticou o fato de o clérigo ter sido enterrado em um cemitério desconhecido.

"Rejeitamos e condenamos o ataque contra as embaixadas e consulados do reino no Irã", escreveu Mohammed al-Nimr em uma mensagem em árabe no Twitter.

Manifestações. A execução de Nimr e de outras 46 pessoas, em sua maioria condenadas por terrorismo, provocou manifestações violentas na comunidade xiita de vários países do Oriente Médio, incluindo Irã, Iraque, Bahrein e Líbano.

De acordo com Amir Abdollahian, a Arábia Saudita "prejudicou os interesses de seu próprio povo e das populações muçulmanas da região com o complô para provocar a queda do preço do petróleo".

Teerã considera que Riad teve um papel primordial na queda do preço do petróleo ao manter a produção em um nível muito elevado. As cotações do petróleo estavam elevadas nesta segunda-feira após a decisão saudita de romper relações com o Irã.

As duas potências regionais também se enfrentam pelas crises na Síria, Iraque e Iêmen, com trocas de acusações sobre ambições expansionistas.

Preocupação. Depois da execução do clérigo xiita e dos protestos no Irã, os governos dos EUA, França, e Alemanha, assim como a União Europeia e a ONU, manifestaram preocupação com o aumento da tensão na região.

Nesta segunda-feira, a Rússia se ofereceu como intermediária na disputa entre Arábia Saudita e Irã. "A Rússia está disposta a atuar como intermediária entre Riad e Teerã", disse uma fonte do Ministério das Relações Exteriores, sem detalhar o papel que poderia ser desempenhado por Moscou.

"Como amigos, nós estaríamos prontos a realizar, se for solicitado, um papel de intermediários (...) para resolver as contradições existentes e qualquer outra que venha a surgir entre esses dois países", disse a fonte, segundo a agência de notícias RIA. /AFP, REUTERS e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX