Iraque cobra mais ajuda da ONU para eleição

O governo iraquiano queixou-se de que as Nações Unidas não estão fazendo o bastante para ajudar o país a se preparar para as eleições de janeiro de 2005. Segundo as autoridades do Iraque, há menos funcionários da ONU envolvidos no pleito iraquiano do que havia no pequeno Timor Leste. O chanceler Hoshyar Zebari disse que "é triste que a contribuição e participação de funcionários das Nações Unidas no processo esteja abaixo das expectativas". Ele disse que o número de funcionários da ONU que deverá atuar na eleição será menor que os 300 enviados ao Timor Leste para o referendo sobre a independência do país, em 1999. "Julgando o tamanho do processo no Iraque e sua complexidade, definitivamente precisamos de uma presença maior da ONU, pelo menos para dar confiança ao processo eleitoral", disse Zebari. A ONU retirou seu pessoal internacional do Iraque depois dos atentados contra o quartel-general da organização em Bagdá, em 2003. O secretário-geral Kofi Annan permitiu o retorno de uma pequena equipe, mas impôs um teto de 35 funcionários. Anna disse que tentou formar uma guarda internacional para proteger uma equipe maior no Iraque, mas não obteve resposta.

Agencia Estado,

20 Outubro 2004 | 15h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.