Iraque suspeita de traição em massacre de soldados

Autoridades iraquianas suspeitam que os 50 soldados treinados por tropas americanas mortos por rebeldes foram traídos por membros de suas fileiras. O grupo do terrorista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi assumiu a responsabilidade pelo ataque perpetrado no final de semana, a emboscada mais letal dos 18 meses da rebelião no Iraque. Os 50 soldados iraquianos foram mortos enquanto estavam desarmados e voltavam para casa depois de participar de um curso de treinamento. Os ônibus em que viajavam forma detidos na noite de sábado por rebeldes. Relatos dizem que os rebeldes vestiam uniformes militares. Muitos dos soldados foram forçados a deitar no chão e levaram tiros na cabeça. Há confusão quanto ao número exato de mortos. A Guarda Nacional iraquiana fala em 48 militares e três motoristas. Há informação de que 37 corpos foram encontrados no Domingo. No chão e com as mãos para trás. Outros 12 estavam num ônibus queimado.

Agencia Estado,

25 Outubro 2004 | 14h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.