Mark Wilson/Getty Images/AFP
Mark Wilson/Getty Images/AFP

Irma destruiu 25% das casas de arquipélago da Flórida

Quase um terço dos edifícios da parte holandesa da ilha caribenha de Saint Martin também foram arrasados pelo furacão

O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2017 | 12h43

MIAMI, EUA - Pelo menos 25% das casas de Florida Keys foram destruídas pelo furacão Irma, de acordo com as primeiras estimativas, informou nesta terça-feira, 12, o chefe da Agência americana de Gestão de Emergência (Fema), Brock Long.

"Estimativas iniciais - e foi por esta razão que pedimos às pessoas que deixassem a área em razão da maré - apontam que 25% das casas de Florida Keys foram destruídas, e 60% foram danificadas", ressaltou Long. "No geral, todas as casas de Florida Keys foram afetadas de uma maneira ou de outra.”

Os moradores da área começaram a retornar para suas casas, mas grande parte das zonas baixas do arquipélago localizado ao sul de Miami permanece fechada ao tráfego. Imagens aéreas da região mostram que a destruição foi generalizada.

Além disso, quase um terço dos edifícios da parte holandesa da ilha caribenha de Saint Martin foram destruídos e mais de 90% foram danificados pelo Irma, segundo a Cruz Vermelha da Holanda.

+ Água do oceano na região das Bahamas ‘some’ após passagem do furacão Irma

A agência de assistência havia analisado 5,5 mil estruturas antes do furacão e fez uma avaliação com base em fotos fornecidas pelo Ministério da Defesa holandês após a tempestade. No domingo, o primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, tinha dito que aproximadamente 70% dos prédios foram destruídos ou danificados.

“O dano em Saint Martin é maior do que se pensava”, disse a Cruz Vermelha em um comunicado. “Além de distribuir alimentos e água, a Cruz Vermelha providenciará mais abrigos de emergência”.

+ Ilha onde Obama passou férias com bilionário britânico é destruída pelo furacão

Especialistas em busca e resgate também estão a caminho do território holandês, onde a ONG disse que 200 pessoas foram registradas como desaparecidas. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.