1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Islândia diz que erupções acabaram e suspende restrições ao espaço aéreo

ROBERT ROBERTSSON E SIMON JOHNSON - REUTERS

29 Agosto 2014 | 17h 51

Mais cedo, o Departamento meteorológico da Islândia reduziu o nível de alerta para aviação para o nível laranja

Reuters
"Exatamente a mesma coisa aconteceu em 2010 com o vulcão Eyjafjallajokull," disse Petford

A Islândia afirmou que uma pequena erupção no sistema vulcânico Bardarbunga, que começou nas primeiras horas desta sexta-feira, havia parado, suspendendo qualquer restrição do espaço aéreo europeu.

Mais cedo, o Departamento meteorológico da Islândia reduziu o nível de alerta para aviação para o nível laranja, depois de concluir que a erupção não representava qualquer ameaça a aeronaves.

"Uma erupção de fissura que começou à meia-noite em Holuhrau, ao norte da geleira Vatnajokull, acabou aproximadamente às 4 horas da manhã no horário GMT", afirmou o Centro de Coordenação de Crise em comunicado. "Estima-se que a fissura tenha 600 metros de comprimento e esteja situada 5 quilômetros ao norte da geleira de Dyngjujokull, no norte da geleira de Vatnajokull."

O comunicado afirmava que ainda há atividades sísmicas na área.

O maior sistema vulcânico da Islândia, que está em uma faixa de 190 quilômetros de comprimento e até 25 quilômetros de largura no norte do país, foi alvo de milhares de terremotos nas últimas semanas e cientistas estão em estado de alerta para o caso de ocorrer uma erupção.

O departamento meteorológico de Reikjavik disse que nas primeiras horas de sexta-feira uma erupção de fissuras começou em um campo de lava ao norte da geleira de Vatnajokull, que cobre parte do sistema de Bardarbunga.

Não houve sinais do tipo de cinza da erupção do vulcão

Eyjafjallajokull, que fechou grande parte do espaço aéreo europeu em 2010.

Embora o risco de uma nuvem de cinzas seja mais alto no caso de uma erupção sub-glacial, as autoridades islandesas elevaram o nível de alerta da aviação para vermelho, o mais alto na escala de cores, indicando que uma erupção é iminente e com risco de emissão de cinzas.

A erupção aconteceu na ponta de uma barragem de magma a 40 quilômetros da principal cratera do Bardarbunga, afirmou o sismólogo Martin Hensch do departamento meteorológico.

Nick Petford, um especialista em vulcanologia da Universidade de Northampton na Grã-Bretanha, disse que as erupções fissurais eram normalmente espetaculares, mas relativamente tranquilas, voltando ao normal em alguns dias. Mas pode ser que haja alguma surpresa, afirmou.

"Exatamente a mesma coisa aconteceu em 2010 com o vulcão Eyjafjallajokull," disse Petford. "A principal erupção aconteceu em abril, mas em março houve uma erupção fissural que precedeu uma outra muito maior".

O evento com o Eyjafjallajokull foi particularmente problemático por ter levantado uma nuvem de cinzas na mesma faixa de altura utilizada por aeronaves transatlânticas, enquanto os ventos empurraram as cinzas para o espaço aéreo europeu. As cinzas também são particularmente viscosas devido à sua composição química.

Petford disse que quando a atual erupção diminuir, os cientistas irão procurar sinais de outros terremotos mais profundos abaixo do vulcão, o que sugeriria que mais magma estaria subindo, assim como qualquer inchaço na estrutura do vulcão que possa ser detectado com o uso de GPS.

"Essas são evidências bem claras de que grandes quantidades de magma estão sendo armazenadas no interior do vulcão, e é uma boa indicação de que ele irá explodir".

(Reportagem de Simon Johnson, Anna Ringstrom, Niklas Pollard e Alistair Scrutton)