AFP PHOTO / MOHAMMED ABED
AFP PHOTO / MOHAMMED ABED

Israel fecha fronteira com Gaza após disparos de foguetes palestinos

Aviação israelense volta a bombardear posições do Hamas no território palestino em represália a ataques

O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2017 | 12h37

JERUSALÉM - Israel anunciou o fechamento da fronteira com a Faixa de Gaza nesta quinta-feira em resposta a disparos diários de foguetes vindos do enclave na última semana, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como capital israelense, provocando raiva nos palestinos. Além disso, a Força Aérea israelense bombardeou alvos do  Hamas na Faixa de Gaza em represália aos ataques com foguetes. 

+ Jerusalém Oriental é capital palestina, declaram países islâmicos

As Forças Armadas israelenses disseram em comunicado que “devido aos eventos de segurança e de acordo com as avaliações de segurança”, o cruzamento de Kerem Shalom --principal ponto de passagem de produtos que entram na Faixa de Gaza-- e a passagem de pedestres de Erez seriam fechadas a partir de quinta-feira. Não foi informado quando as passagens seriam reabertas.

Aviões israelenses atingiram três instalações do Hamas antes do amanhecer na quinta-feira, depois dos mais recentes disparos de mísseis, disseram as Forças Armadas de Israel.

+Autoridades de Gaza dizem que dois palestinos morreram em ataque de Israel, que nega a ação

Elas afirmaram que tiveram como alvos um campo de treinamento e locais onde eram armazenadas armas. O Hamas geralmente retira as pessoas dessas instalações quando aumentam as tensões na fronteira.

Dois dos foguetes disparados por militantes foram interceptados pelo sistema anti-mísseis de Israel e um terceiro explodiu em um descampado. Não houve relatos de mortes em ambos os lados da fronteira.

Desde 6 de dezembro, quando o presidente americano, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como capital de Israel, houve 14 lançamentos de foguetes da Faixa de Gaza, indicou a rádio pública israelense. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.