1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Israel retira nomeação de ex-líder colono como embaixador no Brasil

- Atualizado: 28 Março 2016 | 11h 50

Em comunicado, primeiro-ministro Binyamin Netanyahu anunciou que Dani Dayan foi indicado para ser cônsul-geral em Nova York; governo brasileiro havia relutado em aceitar nomeação

JERUSALÉM - Israel anunciou nesta segunda-feira, 28, a indicação de Dani Dayan, nome escolhido inicialmente para embaixador no Brasil, a uma posição nos Estados Unidos, recuando de uma disputa com Brasília sobre as conexões do indicado com assentamentos judeus na Cisjordânia ocupada.

"(O primeiro-ministro Binyamin) Netanyahu decidiu nomear Dani Dayan cônsul-geral em Nova York. Ele substituirá o funcionário do Ministério das Relações Exteriores Ido Aharoni, que está terminando seu mandato", informou o governo israelense em um breve comunicado oficial.

Dani Dayan, escolhido inicialmente para o cargo de embaixador no Brasil, foi indicado para o substituir o cônsul-geral de Israel em Nova York

Dani Dayan, escolhido inicialmente para o cargo de embaixador no Brasil, foi indicado para o substituir o cônsul-geral de Israel em Nova York

O governo brasileiro, que reconhece desde 2010 o Estado Palestino, havia relutado em aceitar a nomeação em agosto de Dayan, antigo dirigente do Conselho de Assentamentos Judaicos em Judeia e Samaria (designação bíblica para o território ocupado da Cisjordânia). O embaixador israelense anterior deixou o posto em Brasília em dezembro.

O governo de Israel anunciou publicamente o nome de Dayan como novo embaixador de seu país no Brasil antes de submetê-lo ao governo brasileiro, como diz a norma diplomática, gerando a reação de um grupo de 40 diplomatas brasileiros já aposentados, que divulgou um manifesto rejeitando supostas pressões de Israel para que o Brasil aceitasse a indicação de Netanyahu.

Netanyahu, inicialmente prometeu manter-se firme sobre a nomeação de Dayan, mesmo se isso significasse uma piora das relações com o Brasil, já que uma rejeição prejudicaria os assentamentos, que a maioria das potências mundiais considera ilegal. Israel tem um papel considerável em fornecer tecnologia de aviação para a indústria aérea e de defesa brasileira.

No comunicado divulgado nesta segunda, o premiê diz que Dayan agora ocupará um posto que foca nas relações israelenses com judeus e setores empresariais nos EUA. "Não acho que cedemos. Não havia escolha", afirmou Dayan à rádio do Exército israelense, questionado sobre a nova indicação. "Aqueles que não queriam que fôssemos a Brasília acabaram nos conduzindo a Nova York, a capital do mundo."

Dayan previamente argumentava que se o Brasil fosse bem-sucedido em excluí-lo, poderia abrir o precedente de impedir que líderes de assentamentos representassem Israel no exterior. / REUTERS e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX