Ammar Awad/Reuters
Ammar Awad/Reuters

Israelenses e palestinos opinam sobre a mudança da Embaixada para Jerusalém

Analistas e políticos de Israel e da Palestina comentam o que que significa o anúncio americano de mudar a embaixada dos EUA em Israel de Tel-Aviv para Jersusalém

Washington Post, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2017 | 20h52

O presidente Donald Trump deve anunciar nesta quarta-feira a mudança da embaixada dos Estados Unidos de Tel-Aviv para Jerusalém, medida que os presidentes americanos vem adiando desde 1995. Todas as embaixadas de Israel funcionam em Tel-Aviv, porque Jerusalém é um território em disputa entre palestinos e israelenses. A divisão da cidade como capital é um dos pontos principais de todos os processos de paz entre os dois países desde 1967.

Contexto e possíveis consequências de Jerusalém como capital de Israel

Aliados alertam Trump para não reconhecer Jerusalém como capital de Israel

A seguir, o que alguns políticos e analistas palestinos e israelenses pensam sobre o assunto.

Qais Abdul Karim, DEPUTADO PALESTINO

O que significa a mudança da embaixada para os palestinos?

Acho que isto ainda não foi decidido, de modo que só posso entender como mais um gesto para chantagear e para pressionar os palestinos a aceitarem as demandas relativas ao processo de paz e incentivar Israel. Significa que os Estados Unidos são a única potência internacional a assumir uma posição contrária à lei e ao consenso internacionais, no sentido que Israel não tem o direito de declarar Jerusalém como sua capital. É uma violação do status quo.

E se os EUA declararem Jerusalém “capital indivisível” de Israel?

Seria ainda mais problemático, uma vez que envolveria o reconhecimento direto da anexação de Jerusalém Oriental por Israel. E também o reconhecimento da ilegalidade da decisão israelense de anunciar Jerusalém como capital.

O que isso representaria para o acordo de paz?

Os Estados Unidos vão perder sua condição de intermediários e vão se declarar um aliado de Israel. Será uma catástrofe total e talvez o fim das tentativas do governo americano de iniciar um processo de paz. Eles têm ameaçado bastante, e a ameaça em si já é um instrumento de pressão. Se a tornarem uma medida de fato isto terá um impacto catastrófico.

Nachman Shai, DEPUTADO ISRAELENSE

O que significa a mudança da embaixada para os israelenses?

Jerusalém é a capital de Israel e queremos que isto seja reconhecido internacionalmente. Quando Israel foi declarada nação em 1948, alguns países reconheceram Jerusalém e chegaram a instalar seus consulados e embaixadas ali. Mas após a Guerra de 1967, alguns mudaram. Depois, a cada crise, chegaram a deixar a cidade. Eu compreendo o problema dos territórios, mas Jerusalém sempre será a capital de Israel. Acho que todos os países do mundo pretendem que as embaixadas estrangeiras estejam sediadas em sua capital.

E se os EUA declararem Jerusalém “capital indivisível” de Israel?

Acho que seria um passo à frente e outro para trás, mas é melhor do que nada, embora menos do que estamos esperando. Se eles desejam eliminar todas as repercussões da mudança da embaixada para Jerusalém e o fizerem passo a passo, então é uma medida importante. Estou certo de que os partidos de direita ficariam transtornados porque tinham muita esperança quanto à mudança da embaixada. Desde o início achei que seria impossível transferir a embaixada unilateralmente para Jerusalém sem fazer alguma coisa pelos palestinos e manter um equilíbrio.

O que isso representaria para o acordo de paz?

Até onde sei, eles indicam que isto é parte de um plano futuro. Com o objetivo de atrair os israelenses para a mesa de negociações eles precisam adotar medidas como esta ou gestos antecipados, mas ainda estou esperando para ver o que os americanos estão preparando para nós e para os palestinos. Não sabemos ainda muita coisa. Eles vêm trabalhando no assunto, mas não apresentaram nada até agora e acho que estão perdendo impulso. Mas a mudança da embaixada seria um bom início se com isto convencerem os israelenses a serem menos receosos e terem mais confiança nos americanos e um futuro plano de paz. Eu realmente espero que o próximo passo seja um plano de paz, ou um acordo político entre nós e os palestinos.

Ghassan al-Khatib, CIENTISTA POLÍTICO DA UNIVERSIDADE BIR ZEIT

O que significa a mudança da embaixada para os palestinos?

Provocaria amargura e frustração do lado palestino e daria lugar ao extremismo. Fortaleceria os extremistas do lado israelense. Estimularia os israelenses mais radicais que dirão: “vejam, valeu a pena”. E é contrário à lei internacional. Sendo uma superpotência, você não pode ser tão seletivo, tem de respeitar a lei internacional.

E se os EUA declararem Jerusalém “capital indivisível” de Israel?

É provavelmente a pior situação, mas ambas são ruins. Eu diria que do ponto de vista dos EUA,eles não reconhecem o direito palestino a Jerusalém Oriental.

O que isso representaria para o acordo de paz?

A situação se complica sob vários aspectos. Vai enfraquecer o lado que defende a paz na Palestina. Mahmoud Abbas está apostando em um processo de paz mediado pelos Estados Unidos. Esta mudança vai corroer sua posição e a dos moderados na Palestina. E também reduzirá ou eliminará qualquer possibilidade de um papel de mediador para os Estados Unidos, que será visto como muito inclinado para o lado de Israel.

Shmuel Rosner, PESQUISADOR DO JEWISH PEOPLE POLICY INSTITUTE

O que significa a mudança da embaixada para os israelenses?

Em primeiro lugar ela significaria que Israel pode novamente confiar no apoio dos Estados Unidos. Acho que o aspecto mais importante neste caso é o fato de os israelenses sentirem que os Estados Unidos são o seu grande aliado e estão dispostos a adotar medidas, mesmo que controversas diante do mundo, e mostrar seu apoio a Israel. Neste sentido essa mudança é importante para Israel. Concorde ou não com as atuais fronteiras da cidade, manter a embaixada distante da capital não tem muito sentido para os israelenses.

E se os EUA declararem Jerusalém “capital indivisível” de Israel?

É melhor do que nada. Será um sinal de que Trump fala sério quando diz que deseja a mudança da embaixada e que o fará passo a passo. A linguagem do comunicado também é importante. Se eles dizem que Jerusalém é a capital de Israel, o que não é novidade, isto já foi dito. Mas se disserem que Jerusalém é a capital não dividida, isto é ainda mais importante.

Neste ponto, muitos israelenses têm o sentimento de que Trump é amigo de Israel e se adota uma medida simbólica como primeiro passo para seu objetivo final que é mudar a embaixada, não vejo razão para os israelenses ficarem insatisfeitos. Naturalmente alguns dirão que é uma provocação e que reduzirá as chances dos novos esforços de paz com os palestinos.

O que isso representaria para o acordo de paz?

Acho que Jerusalém é uma questão importante. É um tema espinhoso e controvertido e um dos principais obstáculos para se alcançar um acordo. Assim, sob certo aspecto, essa declaração é problemática para os palestinos. Por outro lado, dá um pouco de clareza para a situação.

Essa mudança vai melhorar as chances de paz? Para começar não acho que essas chances sejam grandes, portanto não sei se elas irão diminuir. Mas adiciona um componente polêmico à posição americana, e provavelmente vai mostrar para os palestinos que os Estados Unidos de fato se inclinam para um lado neste caso.

Agora, se essa tomada de posição é problemática para o processo de paz ou é útil, é melhor esclarecer as coisas agora e dar aos dois lados tempo para adequarem sua posição de acordo com a realidade. /  Washington Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.