Divulgação/Odebrecht
Divulgação/Odebrecht

Jornalistas brasileiros detidos na Venezuela são liberados e deixam o país

Repórter e cinegrafista da Record TV foram liberados após 10 horas; eles investigavam obra da Odebrecht no país

EFE, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2017 | 18h11
Atualizado 12 Fevereiro 2017 | 22h22

CARACAS - Os dois jornalistas brasileiros que foram detidos no sábado 11 por autoridades venezuelanas enquanto trabalhavam no país foram liberados neste domingo, 12, e deixaram o país em um voo no início da noite (horário de Brasília). O repórter Leandro Stoliar e o cinegrafista Gilzon Souza de Oliveira, da Record TV, embarcaram rumo a Lima e, de lá, retornarão ao País.

Os dois brasileiros e os venezuelanos José Urbina e María José Túa, coordenadores da ONG Transparência Venezuela, que os acompanhavam, investigavam denúncias de corrupção contra a Odebrecht em uma obra da construtora brasileira no estado de Zulia, polo petrolífero no norte venezuelano.

Os quatro foram detidos pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) quando gravavam imagens da ponte Nigale, uma estrutura inacabada prometida em 2005 pelo então presidente Hugo Chávez como segunda opção de travessia sobre o Lago Maracaibo.

De acordo com a Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel), todos os equipamentos e o material produzido pelos brasileiros foram confiscados. Em um comunicado, a Abratel repudiou veemente a ação do governo venezuelano e afirmou que “tal decisão é abominável e digna apenas de um regime ditatorial que não aceita o livre exercício de imprensa e teme pela verdade”.

Segundo o Sindicato Nacional de Trabalhadores de Imprensa (SNTP) da Venezuela, sete correspondentes estrangeiros haviam sido “expulsos” do país no ano passado.

O Ministério das Relações Exteriores emitiu uma nota após a saída dos jornalistas do território venezuelano, na noite de ontem. No comunicado, o Itamaraty afirmou que o governo brasileiro “atuou junto às autoridades venezuelanas no sentido de que fossem prontamente libertados” desde que foi informado das detenções.

A nota afirma que o governo optou por contatos diretos com as autoridades venezuelanas, evitando divulgação dos procedimentos durante as negociações. “Ao afirmar seu compromisso com os direitos humanos, o governo brasileiro reitera sua posição em defesa da liberdade de imprensa, cuja contribuição é indispensável ao pleno exercício da democracia”, conclui o texto.

 

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Odebrecht Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.