Michael Reynolds/EFE
Michael Reynolds/EFE

Juiz suspende parcialmente proibição de entrada de refugiados nos EUA

Decisão foi tomada por James Robart, após escutar os argumentos de duas organizações de proteção dos direitos civis

O Estado de S.Paulo

24 Dezembro 2017 | 15h32

WASHINGTON - Um juiz federal de Seattle suspendeu parcialmente a proibição de entrada nos Estados Unidos de certos refugiados procedentes de países de maioria muçulmana - medida promovida pelo presidente Donald Trump - ao argumentar que a regra impedia a reunião de pessoas com parentes que vivem legalmente no território americano.

A decisão foi tomada na noite de sábado, 23, pelo juiz James Robart, após escutar os argumentos de duas organizações de proteção dos direitos civis: União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) e o Serviço da Familília Judaica.

Essas associações afirmaram que a proibição de Trump causa danos irreparáveis a famílias e põe algumas pessoas em risco, enquanto os advogados do governo ressaltaram que a medida é necessária para proteger a segurança nacional.

+++ Relembre: Veto de Trump a refugiados e muçulmanos pode ressuscitar o antiamericanismo

Robart ordernou que o governo federal continue o processo de admissão de certas solicitações de refugiados e enalteceu que a decisão deve ser aplicada "a pessoas com uma relação real com uma pessoa ou entidade dos Estados Unidos".

No fiM de outubro, o governo americano vetou a entrada de refugiados procedentes de 11 países de maioria muçulmana, a maioria da África e do Oriente Médio, à espera de uma revisão de segurança de 90 dias. Os afetados são cidadãos de Egito, Irão, Iraque, Líbia, Mali, Coreia do Norte, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria e Iêmen.

Desde que chegou à Casa Branca, Trump criticou as leis migratórias e de refugiados dos EUA e prometeu reforçar os requisitos para viajar e conseguir a residência legal no país, especialmente para pessoas de países com maioria muçulmana. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.