1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Justiça convoca Cristina para depor sobre fraude com dólar na Argentina

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 17h 07

Juiz federal intima ex-presidente e auxiliares próximos para explicar prejuízo de US$ 1,5 bilhão em venda de dólar futuro do BC

BUENOS AIRES  - A Justiça Federal da Argentina intimou nesta sexta-feira, 26, a ex-presidente Cristina Kirchner a depor em um processo que investiga a venda de dólar futuro no Banco Central da Argentina que teria lesado os cofres públicos, informou o jornal Clarín. Também foram convocados o ex-ministro da Economia Axel Kicillof e o ex-presidente do BCA Alejandro Vanoli, além de outros funcionários. 

Em despacho, o juiz federal Claudio Bonadio, questiona contratos assinados entre setembro e dezembro que resultaram num prejuízo de  1,5 bilhão de pesos (US$ 150 milhões). O processo começou a ser investigado no fim de 2015 depois de os deputados Federico Pinedo e Mario Negro denunciarem uma suposta fraude contra administração pública na venda de dólar futuro no BCA. 

Após  deixar o cargo, Cristina enfrenta denúncias de corrupção

Após  deixar o cargo, Cristina enfrenta denúncias de corrupção

As suspeitas começaram quando o BCA começou a vender em grandes quantidades  de dólares a preços mais baixos da prática de mercado.  Enquanto em Nova York, o dólar futuro era negociado a 15 pesos, o BCA o vendia a 10. Essa tendência se acelerou quando ficou mais claro que Macri era o favorito para suceder Cristina, porque uma de suas propostas era a desvalorização cambial. 

Com a vitória de Macri, o peso foi desvalorizado em 30%. Por isso, o BCA teve de desembolsar uma quantia significativamente maior para quitar as vendas fechadas até dezembro, o que provocou o prejuízo. 

Em novembro, a polícia da cidade de Buenos Aires, que respondia na época a Macri, cumpriu mandados de busca na sede do BCA. 

O juiz que cuida do caso já foi alvo de críticas dos Kirchner, que o denunciaram ao Conselho da Magistratura e o proibiram de receber salário.  / AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX