1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Legislativo quer explicação do governo Maduro para prorrogar emergência econômica

- Atualizado: 14 Março 2016 | 10h 23

Junta diretora da Assembleia Nacional convidou o vice-presidente executivo, Aristóbulo Istúriz, para mostrar êxitos alcançados com a medida desde 15 de janeiro para discutir possível renovação

CARACAS - A Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição, se declarou no domingo, 13, em "sessão permanente" para estudar o pedido de prorrogação do decreto de emergência econômica do governo, e pediu ao vice-presidente Aristóbulo Istúriz que explique os êxitos alcançados com a medida.

"A junta diretora enviou uma correspondência convidando o vice-presidente para que compareça e nos dê as informações requeridas para decidir sobre a prorrogação", afirmou o presidente da Assembleia, Herny Ramos Allup, ao finalizar a sessão.

O presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, ironizou o pedido do governo para prorrogar emergência econômica o país e convocou o governo para explicá-lo

O presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, ironizou o pedido do governo para prorrogar emergência econômica o país e convocou o governo para explicá-lo

Os deputados chamaram Istúriz a comparecer na terça-feira porque "é preciso avaliar o que o governo fez nestes 60 dias de decreto de emergência", explicou Ramos Allup. O pedido de prorrogação do decreto de emergência foi feito pelo presidente Nicolás Maduro no sábado, segundo o líder opositor.

"Maduro enviou à presidência da Assembleia Nacional uma solicitação para que a Casa considere a prorrogação do decreto de emergência que negamos", disse o Ramos Allup, no encerramento de uma manifestação convocada pela oposição para pedir a renúncia do presidente, realizada no município Chacao, ao leste de Caracas.

Desafiador, Ramos questionou o motivo pelo qual Maduro não enviou o pedido ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ao invés de fazê-lo para o Parlamento. "Se Nicolás (Maduro) fosse coerente, teria mandado a solicitação para lá (TSJ)", criticou.

Em 15 de janeiro, Maduro promulgou um decreto - vigente por 60 dias - que autorizava seu governo a dispor de bens do setor privado para garantir o abastecimento de produtos básicos, limitar a entrada e a saída de moeda local em espécie e facilitar a entrega de divisas para agilizar as importações.

Embora a medida tenha sido vetada pela maioria de oposição na Assembleia Nacional, a Sala Constitucional do TSJ reconheceu sua legalidade e validou sua vigência. / AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX