1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Anistia a opositores presos é aprovada na Venezuela; Maduro promete vetar

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 22h 44

Projeto de lei avança no Legislativo, mas presidente pode barrar plano de libertar líderes e militantes detidos desde 2014, como Leopoldo López

Atualizado às 22h40 - CARACAS - A Assembleia Nacional da Venezuela aprovou ontem, em primeira votação, o projeto de lei que concede anistia a líderes e militantes da oposição que estão detidos ou presos – alguns deles, como Leopoldo López, desde 2014. O presidente Nicolás Maduro, no entanto, avisou que vetará o texto, aprofundando a guerra institucional com o bloco opositor Mesa da Unidade Democrática (MUD), que controla o Parlamento.

Henry Ramos Allup, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição

Henry Ramos Allup, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição

Entre aplausos e gritos de “liberdade” de parentes dos presos, o presidente da Assembleia Nacional, o opositor Henry Ramos Allup, proclamou a aprovação da lei depois de um inflamado discurso contra o governo chavista.

“Este governo, em sua agonia, não pode continuar de costas para a realidade nacional, nem que prendam, nem que ameacem com fuzis, nem que atropelem ou que chantageiem”, disse Allup. 

Segundo a deputada opositora Delsa Solórzano, que apresentou o projeto, a lei é uma tentativa de “acabar com uma era de prisões e perseguições” na Venezuela. “Não podemos falar de justiça enquanto houver presos e exilados políticos”, disse Delsa.

“A anistia é um passo fundamental para a reconciliação do país. Hoje, aprovaremos esse projeto. A Venezuela não deixará a crise para trás com um país em confronto”, disse o líder do Primero Justicia, o deputado Julio Borges.

Do lado chavista, o deputado Elías Jaua, ex-chanceler, afirmou que o projeto é uma “amnésia criminal”. “Desde já, desconhecemos esta lei. Pedimos que os poderes públicos e todas as autoridades civis e militares façam o mesmo”, disse.

A oposição tem a maioria necessária para aprovar a Lei de Anistia também em segundo turno, mas Maduro já declarou que pretende vetá-la por beneficiar “terroristas e assassinos”. “Essa lei tem pela frente um longo caminho”, disse o constitucionalista José Ignacio Hernández. “A libertação dos presos passa por resolver o conflito institucional que vive o país.”

Segundo o analista, Maduro também poderia apelar à Sala Constitucional do Tribunal Superior de Justiça (TSJ) – cujos integrantes foram nomeados pelo governo chavista e raramente tomam decisões contrárias a ele – para anular o projeto opositor. A anistia pode beneficiar 75 presos políticos, entre eles López e o ex-prefeito de Caracas, Antonio Ledezma.

Maduro. Também ontem, o deputado opositor venezuelano Cipriano Heredia protocolou na Assembleia Nacional um projeto de emenda constitucional para reduzir de seis para quatro anos o mandato presidencial. Se aprovada, a medida antecipará o fim do mandato do presidente Nicolás Maduro para janeiro de 2017. 

Mesmo após a provável aprovação, o projeto de lei sobre o mandato presidencial precisará ser submetido a referendo, que teria de ser convocado pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) – controlado pelo chavismo – em 30 dias, sem a possibilidade de alteração. “O projeto está de acordo com os artigos 230 e 233 da Constituição”, disse o deputado ao jornal El Nacional.

Após o TSJ decidir, na semana passada, invalidar uma decisão da Assembleia Nacional que vetou poderes especiais para Maduro na área, o presidente do Parlamento prometeu acelerar a discussão sobre alternativas constitucionais para tirar o líder chavista do poder. Além de encurtar o mandato de Maduro, a oposição também estuda colher assinaturas para convocar um referendo revogatório.

Desde que a oposição ganhou a maioria parlamentar qualificada nas eleições de 6 de dezembro, o chavismo tem recorrido ao TSJ para vencer as disputas com a MUD. A Corte também invalidou a posse de três deputados opositores suspeitos de fraude, o que ameaçou a maioria de dois terços da oposição.

O secretário executivo da MUD, Jesús “Chúo” Torrealba, disse na madrugada de ontem que a oposição está em campanha para retirar Maduro do poder e garantiu que no país não haverá desenlace violento, nem golpe de Estado./ AFP, EFE e AP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX