1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Líbano sob a cólera saudita

ISSA GORAIEB*

- Atualizado:05 Março 2016 | 16h 55

Imobilizado entre e a bigorna iraniana e o martelo saudita, o Líbano corre o risco de pagar caro, tanto no que diz respeito à sua estabilidade interna quanto à sua situação financeira e econômica, pela feroz briga de influência deflagrada por essas duas potências regionais em todo o Oriente Médio.

Em poucos dias, as relações tradicionalmente fortes entre o país do cedro e o reino wahabita deterioraram-se a tal ponto que ameaçam chegar ao ponto de ruptura. 

Tudo começou no dia 19, quando a monarquia saudita subitamente suspendeu a ajuda e doações no valor total de US$ 4 bilhões que deveriam financiar a compra de material francês destinado ao Exército e às forças de segurança interna libanesas. A medida espetacular justificava-se pelas posições julgadas pouco amistosas, e até mesmo hostis, adotadas dias antes pelo Líbano, com a realização de duas conferências – uma pan-arábica, no Cairo, e a outra pan-islâmica, em Jeddah – convocadas para condenar recentes ataques de manifestantes contra as representações diplomáticas sauditas no Irã.

Nas duas conferências, o ministro libanês das Relações Exteriores, Gebran Bassil, limitou-se a condenar verbalmente essas agressões – invocando a política de neutralidade do Líbano diante dos conflitos regionais – e absteve-se de aderir às resoluções finais. Adotadas pelas outras delegações presentes, elas denunciavam em termos vigorosos as ingerências criminosas do Irã e do seu instrumento libanês, o Hezbollah, nos assuntos dos países árabes. A iniciativa do ministro causou uma viva polêmica no próprio Líbano. 

Bassil é, na realidade, o genro do general Michel Aoun, o influente aliado cristão do Hezbollah. Assim, de modo algum surpreendeu o fato de ele ter sido repreendido por ter agido como ministro do Exterior não do Líbano, mas do Irã e da milícia xiita.

Apesar dos gestos de apaziguamento do governo de Beirute e das numerosas delegações de personalidades políticas e econômicas que foram à embaixada saudita para manifestar solidariedade, diversas medidas de represália foram tomadas nos dias seguintes. 

Imitado pelas outras monarquias petrolíferas do Golfo, o reino proibiu aos seus cidadãos de irem ao Líbano e decidiu adotar ma série de sanções contra homens de negócios e empresas acusadas de ter ligações com o Hezbollah. 

Na quarta-feira, a Arábia Saudita e seus aliados regionais – Catar, Kuwait, Emirados Árabes, Bahrein e Omã – decidiram classificar o Hezbollah como organização terrorista. Na mesma noite, todo o mundo árabe seguiu o exemplo do reino qualificando por sua vez o Hezbollah como terrorista – e isso veio no decorrer de uma reunião de ministros árabes do Interior realizada em Túnis. Lá, também, o representante do Líbano não pôde fazer outra coisa senão cortar o abacaxi em dois: condenou a política agressiva do Irã e do Hezbollah contra vários países árabes, mas, explicou, sua preocupação com a estabilidade interna proibia absolutamente o Líbano de provocar de maneira abrupta o Hezbollah, solidamente representado no governo e na Assembleia. 

Uma condenação explícita acarretaria o desmembramento do gabinete, único órgão executivo que subsiste no Líbano, porque o Parlamento, há cerca de dois anos, se encontra impossibilitado de escolher um presidente da República. Pior ainda, levando em conta as fortes tensões entre sunitas e xiitas, seria possível prever choques armados entre elementos de ambas as partes.

Igualmente aterradora para os libaneses seria a perspectiva de medidas de represália sauditas ainda mais rigorosas. A mais catastrófica seria uma onda de expulsões que afetariam centenas de milhares de expatriados libaneses que vivem e trabalham no Golfo – e cujas remessas de recursos para as famílias residentes no Líbano constituem um dos pilares econômicos do país.

Perguntamo-nos que interesse pode ter a Arábia Saudita em penalizar o Líbano como um todo, com o pretexto de castigar o Hezbollah. O bloqueio das remessas de armas, na realidade enfraqueceria a única força que poderia fazer frente ao Hezbollah armado até os dentes. 

Num país em que o establishment político está dividido em partes bastante iguais, as sanções parecem mais contraproducentes principalmente por não pouparem os próprios protegidos sauditas. Tudo está acontecendo como se o reino recriminasse seus aliados, principalmente seu líder, o primeiro-ministro Saad Hariri, por falta de determinação e escassa eficiência diante dos apetites cada vez maiores do Hezbollah. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

* É COLUNISTA DO 'ESTADO' E JORNALISTA RADICADO EM BEIRUTE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX