Martin Alipaz/EFE
Martin Alipaz/EFE

Liberado por decisão do Supremo, Evo anuncia candidatura em 2019

Se reeleito a um quarto mandato, presidente da Bolívia permanecerá no cargo por pelo menos 19 anos, apesar de referendo ter barrado reeleição

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 13h50

LA PAZ - O presidente da Bolívia, Evo Morales, declarou nesta quarta-feira, 29, que disputará  quarto mandato , um dia depois de o Tribunal Constitucional do país liberar a candidatura, que foi rejeitada em referendo popular em 2016 sobre o tema.

+ Evo desafia plebiscito e faz campanha por 4.º mandato

“A sentença nos permite disputar o voto para uma nova gestão”, disse o presidente em discurso no Palácio Presidencial em La Paz. “ A revolução democrática e cultural continuará.”

O tribunal analisou um recurso apresentado pelo governo boliviano, que buscava anular a aplicação de alguns artigos da Constituição e da Lei Eleitoral. O argumento do partido de Evo, o Movimento para o Socialismo (MAS), era que o direito do presidente de ser candidato e de ser escolhido pelo povo deve ser respeitado, levando em consideração o artigo 23.º da Convenção Americana de Direitos Humanos.

A oposição criticou a medida, considerada um “golpe à democracia” pelo ex-candidato presidencial Samuel Doria Medina e o ex-presidente Jorge Quiroga. Medina, classificou a decisão do tribunal como "ilegítima" e disse que o governo de Evo quer se eternizar no poder.

+Evo acusa CNN e jornalista de conspiração

"É a primeira vez que um governo democrático desconhece o voto popular. No dia 21 de fevereiro (de 2016), os bolivianos foram às urnas e disseram que não queriam a reeleição. Agora, esse governo ignora isso", afirmou Medina.

Quiroga chamou os juízes do Tribunal Constitucional de "capangas à serviço de Evo" e também afirmou que eles "deram um golpe contra a democracia"

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro contestou a decisão. “O artigo da Convenção Americana de Direitos Humanos citado pelo tribunal não contempla o direito a perpetuar-se no poder”, disse. 

+Protesto contra Evo acaba em confronto em fábrica na Bolívia

Evo está na presidência desde 2006. Em 2009, ele conseguiu mudar a Constituição do país e conseguiu disputar um novo mandato em 2010 graças a uma decisão da Justiça. Ele foi reeleito em 2015. Se for eleito em 2019, ele ficará no cargo por pelo menos 19 anos. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.