REUTERS/Albert Gea
REUTERS/Albert Gea

Líder catalão diz que rei perdeu chance de negociar fim de crise

Parlamento da região autônoma deve declarar na segunda-feira a independência unilateral da Espanha, em meio a pressões do governo central em Madri

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2017 | 16h52

BARCELONA, ESPANHA - A dias de declarar sua independência da Espanha, em um ato de desafio ao governo central em Madri, o governo autônomo da Catalunha criticou nesta quarta-feira, 4, o rei Felipe VI e disse que o monarca e o premiê Mariano Rajoy estão perdendo a oportunidade de negociar um fim para a crise política detonada pelo plebiscito separatista de domingo.

+ Entenda o movimento de independência da Catalunha

“O rei Felipe VI tem seguido as políticas catastróficas de Rajoy para a Catalunha e está perdendo a oportunidade de negociar”, disse o presidente da Generalitat, Carles Puigdemont. “A negociação faz parte da nossa cultura política e novas propostas e mediações devem surgir nos próximos dias, mas o Estado não nos deu nenhuma resposta positiva às nossas ofertas. 

Segundo deputados da coalizão nacionalista catalã a declaração unilateral de independência da região autônoma  será feita na segunda-feira, 9, em uma sessão no Parlamento autônomo. A iniciativa tem sido alvo de críticas de políticos e empresas espanholas, bem como da União Europeia, que pede o fim do impasse.

“Sabemos que haverá prisões e cassações, mas estamos preparados”, disse a deputada Mireia Boya, da Candidatura de Unidade Popular (CUP), principal legenda secessionista.

As tensões entre o governo central e a Generalitat aumentaram depois do discurso do rei Felipe VI, que criticou duramente as iniciativas independentistas das autoridades catalãs. “Hoje a sociedade catalã está fraturada”, disse o monarca. “Os líderes catalães infringiram mostraram uma profunda deslealdade aos poderes do Estado.”

 Rajoy estuda com partidos da base e da oposição a resposta consensual à possível declaração de independência, que dificilmente deve ser efetivada, uma vez que Madri controla as fronteiras, portos, aeroportos, estradas, impostos e, principalmente, o Exército. Rajoy promete tomar “todas as medidas necessárias” para conter as aspirações catalãs. 

Oficiais da Polícia Nacional que foram deslocados para a Catalunha para coibir o referendo permanecem na região autônoma. Na tarde de ontem, o Ministério da Defesa informou que camas, cozinhas e chuveiros estão sendo enviados pelo departamento de logística do Exército para os policiais, caso o uso de uma base militar na Catalunha seja necessário nos próximos dias.

Contrária à cisão, a União Europeia está do lado espanhol, mas pede negociações para o fim do impasse. “É um consenso que o governo catalão ignorou a lei”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans.”É hora de negociar.”

Uma manifestação contrária à independência catalã foi convocada para o domingo em Barcelona. / AP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.