1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Líder da Coreia do Norte ordena novos testes nucleares

- Atualizado: 11 Março 2016 | 14h 57

Kim Jong-Un ressaltou a importância de se efetuar ‘mais provas nucleares para avaliar a potência destrutiva das ogivas’ que foram fabricadas recentemente por Pyongyang

SEUL - O líder norte-coreano, Kim Jong-Un, ordenou a realização de novas provas nucleares para testar ogivas reduzidas desenvolvidas por cientistas do país para serem instaladas em mísseis balísticos, informou nesta sexta-feira, 11, a agência de notícias oficial KCNA.

Ao assistir o disparo de um míssil na quinta-feira, Kim Jong-Un destacou a importância de se efetuar "mais provas nucleares para avaliar a potência destrutiva das ogivas nucleares (de tamanho reduzido) fabricadas recentemente" pela Coreia do Norte, segundo a KCNA.

As mais recentes provocações da Coreia do Norte
REUTERS/KCNA
As mais recentes provocações da Coreia do Norte

Coreia do Norte lança míssil após ONU impor novas sanções à Pyongyang; ação foi a mais recente em uma série de provocações do regime de Kim Jong-un a vizinha Coreia do Sul e seus aliados, como os Estados Unidos

A decisão aumenta a tensão na península coreana em razão das sanções internacionais sobre Pyongyang e das manobras militares de Seul e Washington.

Kim teria dado “instruções para dirigir mais testes de explosões nucleares e estimar assim o poder destrutivo de ogivas nucleares de nova produção, além de outros testes para aumentar a capacidade de realizar ataques nucleares".

O jovem ditador enviou uma mensagem de advertência à Coreia do Sul ao afirmar que "se for destruída uma só árvore em nosso inviolável território, será emitida a ordem de lançamento de ataque com todos os meios militares, incluindo armas nucleares".

O governo da Coreia do Sul reagiu à nova ameaça do Norte e assegurou que "está preparado para responder imediatamente a qualquer provocação", indicou um porta-voz do Ministério da Unificação.

Na quinta-feira, Pyongyang lançou ao mar dois mísseis potentes de curto alcance, em um momento de pressão para o regime em razão da adoção de novas e mais duras sanções internacionais contra os norte-coreanos e das manobras militares realizadas por Coreia do Sul e EUA.

Seul acredita que foram mísseis tipo Scud, o que representaria a primeira vez em 2016 que o Exército Popular norte-coreano lança este tipo de projétil desenvolvido na então União Soviética há seis décadas.

Pyongyang intensificou sua retórica belicista e suas exibições de poderio militar desde a adoção de novas sanções internacionais contra o país, em razão de seu quarto teste nuclear realizado no dia 6 de janeiro e do lançamento de um foguete espacial, em 7 de fevereiro, considerado um teste de mísseis encoberto.

Kim reiterou nesta sexta-feira "a necessidade de melhorar constantemente a capacidade de ataque nuclear impulsionando a cooperação entre as áreas de pesquisa de armas nucleares e de foguetes", segundo o comunicado de KCNA.

Além disso, Coreia do Sul e EUA, contrários a tolerar os avanços armamentistas do regime de Kim Jong-Un, realizam atualmente as maiores manobras conjuntas de sua história em solo sul-coreano, nas quais participam mais de 17 mil tropas americanas e 300 mil do país asiático. /AFP e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX