1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Líder palestino acusa Hamas de prolongar conflito

Estadão Conteúdo

29 Agosto 2014 | 14h 57

Para Mahmoud Abbas, trégua poderia ter sido negociada antes

Abbas Momani/AFP
Durante o combate, diversas tentativas de cessar-fogo mediadas pelo Egito falharam e, no fim, o Hamas acabou aceitando quase o mesmo acordo que havia sido oferecido desde o início

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, acusou o Hamas de estender sem necessidade o conflito com Israel na Faixa de Gaza. "Seria possível termos evitado tudo isso, dois mil mártires, 10 mil feridos, 50 mil casas [destruídas]", disse Abbas em depoimento transmitido pela TV palestina nesta sexta-feira.

Segundo ele, o Hamas insistiu em discutir suas exigências antes de dar fim ao conflito, o que só teria servido para prolongar a violência. Durante o combate, diversas tentativas de cessar-fogo mediadas pelo Egito falharam e, no fim, o Hamas acabou aceitando quase o mesmo acordo que havia sido oferecido desde o início.

"A resolução egípcia estava na mesa desde o dia 15 de julho, foi apoiada pela Liga Árabe, foi aceita por Israel, mas rejeitada pelo Hamas na época e agora, depois de mais de um mês, o grupo aceitou tardiamente o acordo", criticou o porta-voz do governo, Mark Regev. "Quando a poeira do conflito em Gaza baixar, muitas pessoas se questionarão por que o Hamas rejeitou [a proposta] há um mês e agora aceitou, e se o grupo tivesse aceitado na época o que acabou aceitando agora, quantas mortes poderiam ter sido evitadas."

Na terça-feira, as duas partes concordaram com uma trégua de longo prazo. O cessar-fogo deu um fim imediato ao conflito, mas deixou diversas questões mal resolvidas. Israel aceitou amenizar um bloqueio na Faixa de Gaza para permitir a entrada de suprimentos de ajuda humanitária e materiais de construção na região. Ao mesmo tempo, no entanto, muitas das restrições continuam estabelecidas. O Hamas, enquanto isso, rejeitou as exigências de Israel para que se desarmasse.

Abbas, cuja Autoridade Palestina formou um governo de unidade apoiado pelo Hamas no começo do ano, questionou o futuro deste arranjo na entrevista. O conflito ameaça a harmonia do governo. "Eles [Hamas] têm um governo sombra, se isso continuar, significa que não haverá unidade. O teste deve chegar logo. O governo precisa fazer seu trabalho e lidar com tudo", disse Abbas. "Eu não quero dizer que isso vai ocorrer de um momento para o outro, esta é uma cisão de sete anos que vai precisar de meses ou anos [para se resolver]." Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo