EFE/Clemens Bilan
EFE/Clemens Bilan

Líder social-democrata está disposto a negociar com Merkel

Martin Schulz evita falar em prorrogar coalizão com a chanceler, mas promete tirar o país do atual impasse político e evitar novas eleições

O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 11h40

BERLIM- O líder do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), Martin Schulz, afirmou nesta sexta-feira, 1, que está disposto a negociar com os conservadores de Angela Merkel para retirar o país do atual bloqueio político, mas não assumiu um compromisso para uma eventual aliança.

+ Merkel quer definir coalizão até o meio de dezembro

"Temos muitas opções para formar um governo, deveríamos falar de cada uma destas opções, e é o que vou propor à direção do partido na segunda-feira", afirmou Schulz, um dia depois de um encontro com a chanceler com a mediação do presidente do país, Frank-Walter Steinmeier.

Schulz classificou de "completamente falsas" as informações - divulgadas pelo jornal popular Bild - de que seu partido teria aceitado iniciar conversações exploratórias para formar novamente um governo de coalizão com Merkel.

Após as eleições legislativas de setembro, que não resultaram na formação de uma maioria absoluta, aconteceu uma tentativa de formar uma coalizão extravagante de quatro pontas: os democrata-cristãos de Merkel (CDU), seu aliado bávaro CSU, os Liberais e os Verdes.

No que diz respeito aos números, apenas uma renovação da aliança formada desde 2013 entre conservadores e os social-democratas do SPD ainda pode permitir a maioria. 

+ Gilles Lapouge: Tempos difíceis na UE

Sem um acordo, restaria a possibilidade de um governo minoritário ou a convocação de novas eleições, sem nenhuma garantia, de acordo com as pesquisas, de que a situação política mudaria de modo substancial./ AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.