Jorge Silva/Reuters
Jorge Silva/Reuters

López recorrerá na sexta contra condenação

O recurso será interposto à Corte de Apelações de Caracas. Caso seja aceito, a Corte deverá convocar as partes para um julgamento oral

O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2015 | 17h59

CARACAS - A defesa do líder opositor venezuelano Leopoldo López apresentará uma apelação, na sexta-feira, contra a condenação a 14 anos de prisão dada a ele no mês passado. Segundo o advogado, a sentença contém vícios que demonstram motivação política por trás da condenação.  

“Vamos apresentar um recurso de apelação para denunciar que houve violação do devido processo e do direito à defesa”, declarou nesta terça-feira o advogado Juan Carlos Gutiérrez.  Segundo ele, a falha consiste em “vícios de fundo e de forma”, uma vez que o Ministério Público não conseguiu provar os delitos pelos quais acusava López, líder da ala radical da oposição venezuelana. 

O recurso será interposto à Corte de Apelações de Caracas. Caso seja aceito, a Corte deverá convocar as partes para um julgamento oral. “Será uma oportunidade para demonstrar que na Venezuela há juízes que não se submetem. A sentença tem de ser revogada e Leopoldo, posto em liberdade”, declarou o advogado.

López, de 44 anos, foi condenado a 14 anos e 9 meses de prisão após ser acusado de incitar a violência durante os protestos contra o governo de Nicolás Maduro que deixaram 43 mortos entre fevereiro e maio de 2014. 

O líder opositor foi sentenciado por episódios ocorridos no dia 12 de fevereiro que afetaram, entre outros, a sede da Procuradoria-Geral em Caracas. Segundo o advogado, seu cliente não teve nada a ver com os fatos. 

Nesse dia, o político convocou uma marcha para promover sua estratégia “A Saída”, que buscava a renúncia de Maduro por meio de pressão de manifestações nas ruas. No entanto, segundo ele, respaldada pela Constituição do país. “Quando o acusam de associação para o crime, não demonstram que havia um grupo organizado para cometer os delitos”, argumentou Gutiérrez. 

A sentença contra López tem sido criticada por vários governos e líderes internacionais, que questionam a independência da Justiça venezuelana e pedem que se garanta o devido processo ao opositor./ AFP 

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Leopoldo López

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.