1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Lula decreta luto de três dias e diz que Kirchner era 'fraternal amigo'

BBC Brasil - BBC

27 Outubro 2010 | 14h 42

Em nota, presidente destacou papel do ex-presidente na reconstrução econômica, social e política de seu país.

Segundo Lula, Kirchner ajudou a reconstruir a economia da Argentina

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta quarta-feira ter recebido com consternação a notícia da morte do ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner e decretou luto oficial de três dias pelo falecimento.

"Sempre tive em Néstor Kirchner um grande aliado e um fraternal amigo. Foram notáveis o seu papel na reconstrução econômica, social e política de seu país e seu empenho na luta comum pela integração sul-americana", afirmou o presidente em nota oficial.

Em evento no Rio de Janeiro, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, também lamentou a morte do argentino.

"(Kirchner) se empenhou muito na boa relação com o Brasil, na boa relação pessoal com o Presidente Lula e, inclusive, na integração sul-americana. (...) Enfim, é uma grande perda seguramente para a Argentina, para a família."

Santos e Chávez

Em discurso em Bogotá, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que a morte de Kirchner era uma "grande perda para a Argentina e uma grande perda para o continente".

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, publicou no Twitter uma mensagem de apoio a Cristina Kirchner.

"Ah, minha querida Cristina... quanta dor! Que grande perda sofre a Argentina e a nossa América! Viva Kirchner para sempre!!"

Como Lula, Chávez também decretou luto oficial de três dias.

Líderes da oposição argentina, como o prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, já deram suas condolências à presidente, de acordo com a imprensa local.

O vice-presidente da Argentina, Julio Cobos, disse à rede de televisão Todo Notícias que estava "obviamente angustiado e impactado" pela morte e transmitiu condolências à família do ex-presidente.

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, ainda não se pronunciou sobre a morte do marido. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.