Macron tropeça no idioma e chama mulher de premier australiano de 'deliciosa'

Macron tropeça no idioma e chama mulher de premier australiano de 'deliciosa'

Frase que movimentou a imprensa e as redes sociais, de acordo com o 'Washington Post', foi uma confusão linguística

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2018 | 18h24

“Quero agradecer a você pela hospitalidade, agradecer a você e à sua mulher deliciosa, pela recepção calorosa”, disse o presidente francês, Emmanuel Macron, ao primeiro- ministro da Austrália, Malcom Turnbull, em visita oficial. A frase que movimentou a imprensa e as redes sociais, de acordo com o Washington Post, foi uma confusão linguística.

A gafe foi durante entrevista coletiva de Macron e Turnbull em Sydney. O evento estava quase no fim quando o francês escorregou em um falso cognato para agradecer ao líder australiano e à mulher dele, Lucy Turnbull. O erro ocorreu porque a palavra francesa “délicieuse”, que tem pronúncia similar à palavra em inglês “delicious”, também pode significar algo como “delicada” ou “agradável”.

Macron se esforçou durante todo o encontro na Austrália, e também em sua visita aos EUA, para falar o idioma dos anfitriões, respondendo a todos os repórteres em inglês. Apesar de ser fluente, ele escorregou e produziu comentários e memes nas redes sociais. 

O erro, no entanto, não é a única versão para o comentário de Macron. A Associated Press levantou a hipótese de que o francês tenha feito referência ao que Donald Trump disse de Brigitte Macron, sua mulher, ao cumprimentá-la em visita oficial à França, em 2017. Na ocasião, a fala do presidente americano foi considerada inapropriada ao dizer que a primeira-dama da França “estava em boa forma”. 

A terceira versão possível para justificar a confusão é a de que Macron estivesse fazendo uma piada relacionada a gastronomia, já que pouco antes Turnbull havia falado sobre o almoço que ele teria em seguida com membros da comunidade francesa de Sydney. A fala do premiê foi seguida de comentários sobre vinho a gastronomia da França, o que pode ter dado origem à piada mal interpretada de Macron. / W. POST e AP

 

Mais conteúdo sobre:
Emmanuel Macron França [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.