1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Maduro lança decreto contra crise e abre brecha para expropriações

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 23h 25

Presidente comparece à Assembleia Nacional, de maioria opositora, para discurso sobre situação do país e e afirma que pretende criar comissão da verdade para investigar violência em protestos contra seu governo no início de 2014

O governo do presidente Nicolás Maduro publicou nesta sexta-feira, 15, um decreto de Emergência Econômica que tem como objetivo tirar o país da grave crise que atravessa. Também ontem foi anunciado o índice de inflação dos nove primeiros meses de 2015, 141,5%. Para entrar em vigor, o decreto depende de aprovação da Assembleia Nacional, de maioria oposicionista.

A medida publicada não foi detalhada na Gaceta Oficial. Se aprovada pela Assembleia, sera válida por 60 dias e renovável por outros 60. Em discurso na Assembleia Nacional no início da noite, Maduro defendeu o decreto e voltou a falar em um aumento no preço da gasolina como alívio ao caixa da estatal do petróleo PDVSA – a gasolina venezuelana é a mais barata do mundo na venda ao consumidor. O presidente também fez uma rara autocrítica afirmando que os edifícios do programa social Gran Misión Vivienda Venezuela não podem se tornar “depósitos de gente”.

Além de dispensar a exigência de licitações, o decreto permite que o governo disponha de bens, mercadorias e instalações privadas para garantir o abastecimento. O item 8 do decreto permite ao governo obrigar indústrias a aumentar a produção. No item 9, o Executivo é autorizado a dispor de “meios de transporte, canais de distribuição, centros de armazenamento, beneficiadoras, matadouros, bens e demais estabelecimentos” de pessoas físicas e jurídicas com o objetivo de garantir o abastecimento de produtos básicos.

O decreto prevê ainda a adoção de medidas extraordinárias para reduzir a evasão fiscal, facilitar importações e permite ao governo usar recursos carimbados para compra de alimentos.

A economia venezuelana, extremamente dependente do petróleo, atravessa o pior momento desde a chegada de Hugo Chávez ao poder, em 1999. Filas para compra de itens básicos como leite, arroz, remédios, sabonetes e absorventes se transformaram em    parte da paisagem de Caracas. 

Hoje, o barril do petróleo venezuelano teve outra queda, de US$ 27,87 para US$24,38, o mais baixo em duas décadas. A previsão é que a o Produto Interno Bruto (PIB), deve ter uma retração de até 8%.

Nas ruas, o povo reagiu com desconfiança ao decreto. “Não foi este governo, com esta política equivocada, que nos levou a esta situação calamitosa? Por que vamos dar um cheque em branco para eles? Que anunciem as medidas concretas que pretendem tomar”, disse a dona de casa Yoni Rodríguez, enquanto esperava, na porta da Assembleia, a chegada de Maduro para o discurso anual de prestação de contas. “Vou gritar bem alto para que ele escute. Nós votamos em Maduro e o que recebemos em troca? As filas”, disse.

No discurso, o primeiro de um chavista numa Assembleia dominada pela oposição, porém, Maduro adotou tom conciliatório – propôs a criação de uma Comissão da Verdade para apurar a onda de violência que deixou 43 mortos em 2014. Mas não escondeu a indignação com a retirada dos retratos de Chávez e de Simón Bolívar da sede da Assembleia.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX