AFP | 25.08.2015
AFP | 25.08.2015

Mais de 2 mil pessoas entram ilegalmente na Hungria

Aumento ocorreu após a decisão da Macedônia de facilitar a passagem de milhares de refugiados para a Sérvia

O Estado de S. Paulo

25 Agosto 2015 | 08h34

BUDAPESTE - Autoridades da Hungria interceptaram na segunda-feira 2.093 pessoas que entraram no país de forma ilegal, o que representa uma forte ampliação em relação ao número que varia entre 1.000 e 1.500 registrado nos dias anteriores, informou a polícia nesta terça-feira, 25.

O aumento ocorreu após a Macedônia facilitar a passagem para a Sérvia de milhares de refugiados - em grande parte provenientes da Síria, Iraque e Afeganistão - e poucos dias antes de a Hungria terminar de instalar uma cerca em sua fronteira com o território sérvio para dificultar a imigração. 

A Hungria é o primeiro membro da União Europeia onde os refugiados desembarcam. Depois, o objetivo é seguir rumo a outras nações como Alemanha, Suécia e Áustria.

Os húngaros querem que a União Europeia destine mais fundos para auxiliar na pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra, afirmou Janos Lazar, chefe de gabinete do primeiro-ministro do país Viktor Orban. A Comissão Europeia prometeu destinar aproximadamente 8 milhões de euros para ajudar a Hungria, mas Lazar disse que seria preciso uma quantidade maior. “A União Europeia distribui fundos para a proteção das fronteiras de forma humilhante. Membros antigos do bloco pegam dinheiro dos novos membros”, disse.

As observações de Lazar ocorrem um dia depois que a o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, criticou os governos europeus por “apontarem os dedos” para a crise migratória ao invés de pensarem em medidas viáveis.

“Se não tomarmos medidas significativas, nos tornaremos um barco de resgate que afunda sob o peso das pessoas que se agarram a ele”, disse Lazar em referência às centenas de imigrantes que morrem em embarcações que atravessam o Mediterrâneo para chegar à Europa. /EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.