Major acusado de abrir fogo em base militar tinha contato com clérigo radical

Nidal Malik Hasan, acusado de matar 13 pessoas no Texas, teria trocado e-mails com religioso simpatizante da Al-Qaeda.

BBC Brasil, BBC

10 Novembro 2009 | 10h33

Autoridades de inteligência dos Estados Unidos revelaram que sabiam que o major americano acusado de ter matado 13 pessoas em Fort Hood, no Texas, vinha mantendo contato com um clérigo simpatizante da rede Al-Qaeda.

Segundo o FBI, o major Nidal Malik Hasam, muçulmano de família palestina, foi escrutinizado por uma força-tarefa antiterrorismo por causa de uma série de e-mails que ele trocou com Anwar al-Awlaki, clérigo que já foi imã em uma mesquita da Virgínia e hoje vive no Iêmen, após ter passado um período na cadeia.

Os agentes de inteligência, no entanto, decidiram que a correspondência não merecia mais investigações e que Hasan não estava envolvido em um plano terrorista.

Segundo eles, o conteúdo das mensagens não defendia nem trazia ameaças de atos de violência, e condizia com pesquisas que o major estava fazendo para seu trabalho como psiquiatra do Exército.

Terrorismo

Após a divulgação da notícia, o diretor do FBI pediu uma revisão de como a agência lidou com as informações obtidas sobre Hasan.

No Congresso, o senador Joe Lieberman anunciou que vai abrir uma investigação para determinar se o ataque foi ou não um ato terrorista.

Ele disse esperar descobrir se o Exército errou ao não perceber indícios de que Hasan teria visões extremistas.

Autoridades acreditam que Hasan abriu fogo contra seus colegas, na última quinta-feira, aparentemente por sua insatisfação com a perspectiva de ser enviado ao Afeganistão.

Ele segue internado em um hospital militar, onde está sendo tratado por ferimentos a bala. O major será julgado por uma corte militar.

Nesta terça-feira, o presidente americano, Barack Obama, participa do funeral das 13 vítimas em Fort Hood. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.