1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Mancha de óleo não era de avião sumido, dizem autoridades da Malásia

O Estado de S. Paulo

10 Março 2014 | 09h 31

Equipes de resgate do Vietnã encontram no mar peça de bobina cuja origem será analisada

KUALA LAMPUR - Autoridades malaias e vietnamitas prosseguem nesta segunda-feira, com as buscas pelo Boeing 777-200 da Malaysia Airlines que desapareceu durante o voo na sexta-feira. Um helicóptero de resgate vietnamita recuperou uma tampa coberta de musgo de uma bobina de cabos, mas ainda não está claro se ela pertence à aeronave.

"Foi recuperado o objeto, após aviso e pedido do centro de resgate da Malásia, 130 quilômetros a sudoeste da ilha de Tho Chu. O objeto foi identificado como uma tampa coberta de musgo de uma bobina de cabos", disse a Autoridade de Aviação Civil do Vietnã em seu site.

De acordo com a Marinha malaia, o rastro de óleo encontrado no mar no fim de semana era de um navio, e não de um avião."Esse tipo de óleo não se usa em aviões", disse o porta-voz da polÍcia marítima malaia Faridah Shuib. O voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu no sábado cerca de uma hora após decolar de Kuala Lumpur para Pequim com 239 pessoas a bordo.

O eventual sequestro do avião da Malaysia Airlines que desapareceu com 239 pessoas a bordo não pode ser descartado e todas as possibilidades estão sendo investigadas a respeito do voo que sumiu na rota de Kuala Lumpur para Pequim, informou o chefe das investigações na Malásia nesta segunda-feira.

O governo da China pediu à Malásia que acelere as buscas. A maioria dos passageiros a bordo era chinesa. "Esse incidente ocorreu há dois dias e esperamos que os malaios possam compreender nossa urgência, principalmente em razão do sofrimento das família, e acelerar a investigação e a missão de resgate", disse o porta-voz da chancelaria de Pequim, Qin Gang.

O voo  desapareceu no sábado cerca de uma hora após decolar de Kuala Lumpur, depois de ter atingido altitude de 10.600 metros.

Austrália, China, Estados Unidos, Filipinas, Indonésia, Malásia, Nova Zelândia, Cingapura, Tailândia e Vietnã participam da busca do Boeing 777-200. Transcorridas mais de 60 horas do desaparecimento dos radares os restos do avião não foram encontrados.

Os especialistas também não esclareceram o motivo pelo qual os mecanismos de emergência do avião em caso de acidentes não transmitiram nenhum sinal. O voo MH370 decolou de Kuala Lumpur às 0h41 locais (13h41 de sexta-feira no horário de Brasília) e deveria chegar em Pequim seis horas depois.

As autoridades de aviação civil malaias indicaram que sua última posição no radar antes da perda do sinal foi às 1h30 locais (14h30 de sexta-feira no horário de Brasília). Ao todo, 239 pessoas estavam no avião. / REUTERS, EFE e AP